sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Dia de campo mostra tecnologias para a pecuária de leite a produtores do Juruá



Conhecer um conjunto de tecnologias que melhoram a produção de leite em pequenas propriedades e que será implantado em Cruzeiro do Sul. Com este objetivo, produtores rurais do Vale do Juruá participaram de dia de campo realizado pela Embrapa Acre, Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em parceria com o governo do Estado, através da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).


Conhecer um conjunto de tecnologias que melhoram a produção de leite em pequenas propriedades e que será implantado em Cruzeiro do Sul. Com este objetivo, produtores rurais do Vale do Juruá participaram de dia de campo realizado pela Embrapa Acre, Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, em parceria com o governo do Estado, através da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

A atividade aconteceu na Colônia Sara, em Brasiléia (223 quilômetros de Rio Branco), no dia 26 de novembro, como parte das ações do projeto “Transferência de tecnologias para viabilizar a pecuária leiteira na regional do Alto Acre”, que há quatro anos vem implantando tecnologias desenvolvidas ou recomendadas pela Embrapa em pequenas propriedades leiteiras da região. “Em propriedades de Assis Brasil, a produção de leite praticamente dobrou, saltando de 662 para 1.317 quilos em cada lactação”, afirma o pesquisador Carlos Maurício Andrade, líder do projeto.

A partir de fevereiro, essas técnicas serão utilizadas em propriedades do Projeto de Assentamento Santa Luzia, em Cruzeiro do Sul, onde serão instaladas unidades demonstrativas. Produtores de três colônias integraram o grupo que veio conhecer de perto as tecnologias e os resultados da sua aplicação.

O intercâmbio de produtores é uma ação do projeto “Tecnologias Sustentáveis e Ações de Comunicação Empresarial para o Incremento da Produção Familiar na Regional do Juruá”, desenvolvido pela Embrapa Acre, com recursos de emenda parlamentar de autoria do deputado federal Henrique Afonso (PV/AC). O roteiro da viagem incluiu visitas à sede da Embrapa Acre e Estação de Melhoramento e Difusão de Genética Animal (EMDGA), órgão do Governo do Estado do Acre, cujas atividades são coordenadas pela Secretária de Agopecuária (Seap), em parceria com a Embrapa Acre.

Para o secretario de Agricultura e Meio Ambiente de Cruzeiro do Sul, Erni Dombrowski, que acompanhou o grupo, a participação dos produtores rurais no dia de campo é uma forma de incentivar a adoção das tecnologias. “Cada vez mais precisamos de alternativas tecnológicas que permitam aumentar a produção, recuperar áreas degradadas e diminuir a pressão do desmatamento”, afirma.

Segundo o secretário, com a instalação das unidades demonstrativas em Cruzeiro do Sul, outras cidades do Vale do Juruá também se beneficiarão. “A idéia é fazer intercâmbio com produtores de Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Porto Walter e Marechal Taumaturgo para que essas tecnologias sejam implantadas em suas propriedades”, esclarece.

Baixo custo

Durante o dia de campo foram apresentadas técnicas de manejo em pastagens com adoção de cercas elétricas e pastejo rotacioando, métodos que evitam a degradação do pasto, causado pela superlotação, um dos principais problemas enfrentados pelos produtores da região. Outro destaque foi o uso de cana com uréia na suplementação do rebanho leiteiro, durante o período seco. “Esta técnica permite manter os animais bem alimentados, mesmo quando as pastagens estão pobres”, afirma Andrade.

Também foram mostradas as vantagens do uso de leguminosas como o amendoim forrageiro e da arborização de pastagens, tecnologias que ajudam a melhorar a qualidade do alimento consumido pelo rebanho e protegem o solo contra a erosão e outras intempéries. Os participantes também conheceram as vantagens do uso do manejo sanitário do rebanho, inseminação artificial, melhoramento genético, escrituração zootécnica e controle financeiro da produção.

“São tecnologias de fácil adaptação e de baixo custo que melhoram o desempenho leiteiro do rebanho”, afirma o pesquisador da Embrapa Acre, Aloísio Cavalcante, um dos coordenadores do evento.

Uma das novidades do dia de campo foi a ordenhadeira mecânica, recentemente adquirida pelo produtor Aldair Petter, proprietário da Colônia Sara, contabilizada como um dos grandes avanços da propriedade, desde a implantação das tecnologias, em 2006. O equipamento foi comprado com dinheiro da venda de bezerros resultado de inseminação artificial realizada pelo próprio produtor. “Além de melhorar o padrão genético do rebanho, também aumentamos a produção de leite e a renda da família”, diz Petter.

Nenhum comentário: