domingo, 7 de junho de 2009

Servidores da educação estadual realizam assembléia para discutir proposta do governo


Dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação se reuniram na última sexta-feira (5) com os servidores da categoria para discutir sobre uma proposta de melhoria salarial apresentada pelo Governo do Estado. Na assembléia realizada no auditório da Escola Flodoardo Cabral, a categoria decidiu travar um novo debate com o governo para negociação de alguns pontos da proposta que foram rejeitados pelos servidores.

Dirigentes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação se reuniram na última sexta-feira (5) com os servidores da categoria para discutir sobre uma proposta de melhoria salarial apresentada pelo Governo do Estado. Na assembléia realizada no auditório da Escola Flodoardo Cabral, a categoria decidiu travar um novo debate com o governo para negociação de alguns pontos da proposta que foram rejeitados pelos servidores.

Durante a reunião a diretoria do SINETAC em Cruzeiro do Sul e o vice-presidente estadual do Sindicato, João Sandim, fizeram uma explanação das propostas apresentadas pela categoria ao governo e da contra proposta do governo para a categoria. Depois de três meses de debates a comissão que representou a Secretaria Estadual de Educação nas negociações ofereceu as seguintes vantagens para os servidores:

-Aumento do piso salarial para os servidores de apoio nível 1 que passaria de 420 para 525 reais com redução das duas letras iniciais da tabela do Plano de Carreira.

-Reajuste salarial para servidores de apoio nível 2 no valor de 5º reais.

-Curso superior para os servidores com início a partir de setembro deste ano com 40 vagas para Cruzeiro do Sul.

-Implantação do piso salarial nacional para professores com magistério com pagamento de dois terços do piso deste ano que passaria de 628 para 775, retroativo a janeiro deste ano que passaria para 849 a partir de janeiro 2010.

-Décimo quarto salário no valor de 2300 reais para professores com nível superior com contrato de 30 horas semanais sendo 20% referentes à regência de sala e o restante a critérios de produtividade avaliados pelo governo

-Décimo quarto salário para professores com nível superior no valor de 1840 para os contratos de 16 horas. Sendo da mesma forma 20% de regência de sala e o restante aos critérios produtividade estabelecidos pelo governo.

-E ainda décimo quarto salário para professores de magistério no valor de 935 reais. Divididos da mesma foram 20% de regência e 80% de produtividade.


No entanto, só recebe o décimo quarto salário o professor que estiver atuando em sala de aula. No final da assembléia os servidores decidiram por maioria aceitar apenas alguns dos pontos apresentados pelo governo.

Foi rejeitada a redução da tabela do Plano de Cargo Carreira e Salário para os servidores de apoio, exigem que o Piso Nacional seja aplicado com os mesmos cálculos dos efetivos para os professores que trabalham de forma provisória com magistério e solicitam regência para todos os professores, mesmo para os que estão atuando em outras funções que não seja na sala de aula.

O presidente do SINTEAC em Cruzeiro do Sul, Valdenísio Martins, explicou que o sindicato vai propor novas negociações com o Governo para buscar uma proposta que atenda os interesses da categoria. “A categoria decidiu que o governo deve apresentar uma outra proposta que contemple a todos os servidores até o dia 15 deste mês. Se isso não acontecer poderá haverá uma greve por tempo indeterminado” – revelou o presidente.