terça-feira, 9 de junho de 2009

Governo do Estado aposta no uso da Mucuna para recuperação de áreas degradadas no Juruá.


Em Cruzeiro do Sul produtores de duas comunidades já estão utilizando a Mucuna para a recuperação de áreas degradadas. A planta, considerada como adubo verde, está sendo utilizada nas propriedades rurais do Juruá através de um projeto do Governo do Estado. A iniciativa é vista pelos produtores como uma alternativa para a revitalização do solo nas áreas de plantio.

Em Cruzeiro do Sul produtores de duas comunidades já estão utilizando a Mucuna para a recuperação de áreas degradadas. A planta, considerada como adubo verde, está sendo utilizada nas propriedades rurais do Juruá através de um projeto do Governo do Estado. A iniciativa é vista pelos produtores como uma alternativa para a revitalização do solo nas áreas de plantio.

Os primeiros beneficiadas foram os moradores da Vila São Pedro e do Ramal da Buritirana. Nessas duas comunidades, trinta e seis produtores decidiram fazer parte do Pro-florestania - Programa do Governo do Estado de apoio às populações tradicionais e pequenos produtores denominado. Através desse programa, a SEAPROF – Secretaria de Apoio a Produção Familiar - desenvolve o projeto para recuperação do solo em áreas degradadas com o uso da Mucuna.

A planta é considerada um fertilizante natural que tem todos os nutrientes necessários para melhorar as propriedades da terra para o plantio. Nesta terça-feira, técnicos da SEAPROF se reuniram com produtores do Ramal Mariana I, onde o projeto também será colocado em prática. Na reunião os produtores alegaram que atualmente a maior preocupação dos agricultores é com a preparação do solo para o plantio.

Alzenisio Rocha disse que “as terras já estão bastante saturadas devido o uso constante e como não é possível desmatar outras áreas nem queimar, o uso da Mucuna é uma alternativa que para melhorar a qualidade da produção”.

O engenheiro agrônomo da SEAPROF, Aldair Pereira, explicou como é feito o processo de recuperação do solo com o uso da Mucuna. “O produtor planta a Mucuna e no momento certo faz a roçagem e depois de dez já pode plantar o que desejar que as folhas da Mucuna que ficaram no solo servem de adubo. Com o uso desse fertilizante verde esperamos aumentar a produção por área plantada. Só pra se ter uma idéia, antes, aqui na região, os produtores tinham uma produção de até 90 sacas de farinha em uma quadra de terra, essa produção caiu para trinta sacas” – disse o técnico da SEAPROF.

Em cada comunidade inserida no projeto, o Governo garante para cada produtor a mecanização de dois hectares de terra para a plantação da Mucuna, 100 quilos de sementes da planta e uma roçadeira para que o grupo de produtores que participa do projeto possa cortar a Mucuna na época que estiver no momento certo para ser utilizado como adubo.

Prefeitura de Cruzeiro do Sul forma 46 manicures


Parceria entre a Prefeitura de Cruzeiro do Sul e a Missão Família Obra Irmã Demétria, realizou um curso profissionalizante de manicure e pedicure, entre os dias 24 de abril e 29 de maio, que contou com a participação de 46 mulheres. A entrega dos certificados foi realizada no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), na tarde de segunda-feira, com a presença do bispo Dom Mosé e da secretária de Assistência Social, Rosa Sampaio, entre outras autoridades.

Parceria entre a Prefeitura de Cruzeiro do Sul e a Missão Família Obra Irmã Demétria, realizou um curso profissionalizante de manicure e pedicure, entre os dias 24 de abril e 29 de maio, que contou com a participação de 46 mulheres. A entrega dos certificados foi realizada no CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), na tarde de segunda-feira, com a presença do bispo Dom Mosé e da secretária de Assistência Social, Rosa Sampaio, entre outras autoridades.

Rosa Sampaio afirmou que o curso representa mais um compromisso do prefeito Vagner Sales com a população carente. Ela acrescentou que “o CRAS não é um lugar de assistencialismo, mas de oportunidades”. Segundo ela, “os convênios da prefeitura com essa e outras entidades são muito importantes, e tem funcionado muito bem”.

Opinião semelhante tem o Bispo Dom Mosé, que aposta em um resultado significativo com as parcerias. “Quando as entidades se unem e fazem parcerias, elas se fortalecem e ganham mais força. E com isso os resultados são bem melhores”, afirma. O bispo vê o curso como uma ajuda para manter a família. “Em muitas famílias as mulheres são o homem e a mulher da casa, porque os maridos muitas vezes não têm emprego. E uma oportunidade como essa ajuda na renda dessas pessoas”, explica.

Na ocasião, a coordenadora do CRAS, Ana Luiza Dias da Silva, anunciou os próximos cursos, como corte e costura para gestante, e outro para cabeleireiro. As novas profissionais na área de manicure e pedicure foram sorteadas com oito kits, contendo o material completo para unhas, como alicate, tesoura, esmalte, palito, lixa, entre outros.

Assessoria


Governo e Prefeitura dão início a mecanização agrícola em Cruzeiro do Sul


Com o início do verão as máquinas começaram a atender as necessidades dos produtores que precisam mecanizar o solo para o plantio. Os serviços de aradagem tiveram início esta semana. O governo e a prefeitura trabalham em sintonia para atender as comunidades.

Com o início do verão as máquinas começaram a atender as necessidades dos produtores que precisam mecanizar o solo para o plantio. Os serviços de aradagem tiveram início esta semana. O governo e a prefeitura trabalham em sintonia para atender as comunidades.

Nesta segunda-feira (8) um trator da Secretaria de Apoio a Produção Familiar entrou no Pólo Agro-florestal da Vila Santa Rosa onde deve atender 16 produtores. Na propriedade do agricultor Euclides Fernandes, está sendo mecanizada uma área de uma quadra de terra para o plantio de melancia e mandioca.

Para os produtores, a mecanização do solo é uma forma evitar as queimadas e garantir a qualidade da produção em áreas bastante saturadas. “Já estamos atrasados para plantar porque o ideal seria estarmos com a terra pronta no final de maio, mas sabemos que o inverno foi muito intenso e não foi possível realizar esse trabalho antes. Então, agora é bem vindo esse apoio, pois sem a mecanização nossas terras já dão mais nada e hoje não podemos mais desmatar nem queimar para que possamos ter uma boa produção” – disse Euclides.

No entanto, a Prefeitura e o Governo ainda estão com dificuldades de maquinários para atender as necessidades de todos os produtores. Para atender toda a demanda na zona rural da cidade seria necessária uma quantidade de oito tratores. No momento a SEAPROF dispõe de apenas uma máquina e a Secretaria Municipal de Agricultura conta com apenas dois que estão em funcionamento.

O secretário de Agricultura do Município, Erni Dombrowski, garante que a Prefeitura está preocupada em recuperar mais cinco tratores para atender a demanda. “Ainda não concluímos a recuperação de mais cinco máquinas porque o processo burocrático para aquisição de peças é muito demorado, mas o prefeito Vagner Sales está empenhado e buscando as alternativas para resolver o problema e colocar esses equipamentos á disposição dos produtores para atender toda demanda durante o verão” – disse Dombrowski.

Outra dificuldade no momento é a umidade do solo que ainda dificulta os serviços. Devido o longo período de inverno, algumas áreas ainda estão muito úmidas e impossibilita a passagem do trator. Na propriedade do seu Euclides a maquina ficou atolada e foi preciso a chegada de outro trator para ser retirada do local.

Valdemir Neto, coordenador da Secretaria de Produção Familiar, disse que a partir de agora, tanto a prefeitura quanto às secretarias de estado vão cobrar uma taxa de manutenção das máquinas aos produtores e pede que as sociedades agrícolas organizem a relação dos agricultores que necessitam da mecanização. “Além dos 10 litros de óleo por hora, os produtores terão que pagar um valor de R$ 10 reais para que possa ser feita a manutenção do trator. Vamos atender as comunidades por ordem de chegada, as primeiras associações que trouxerem a relação dos produtores serão atendidas” – ressaltou Valdemir.