terça-feira, 16 de junho de 2009

Sábado é o “Dia D” contra a poliomielite

Campanha contra a poliomielite já teve início em Cruzeiro do Sul e vai se estender até o dia 3 de julho, sendo que um grande esforço está sendo preparado para que haja uma grande mobilização no dia 20 de junho, sábado. A responsável pelo setor de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Janaína Negreiros, vem fazendo um apelo, através dos meios de comunicação, para que as mães e responsáveis por crianças de zero a 5 anos, procurem os postos de saúde onde estão sendo distribuídas as duas gotinhas responsáveis pela imunização à doença.

Campanha contra a poliomielite já teve início em Cruzeiro do Sul e vai se estender até o dia 3 de julho, sendo que um grande esforço está sendo preparado para que haja uma grande mobilização no dia 20 de junho, sábado. A responsável pelo setor de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Janaína Negreiros, vem fazendo um apelo, através dos meios de comunicação, para que as mães e responsáveis por crianças de zero a 5 anos, procurem os postos de saúde onde estão sendo distribuídas as duas gotinhas responsáveis pela imunização à doença.
"Nós temos uma meta de 9.321 crianças para ser vacinadas nessa faixa etária". Ela conta que em uma reunião realizada há poucos dias em Rio Branco, para discutir o planejamento da campanha, A Secretaria Municipal de Saúde foi parabenizada pelo sucesso da campanha anterior, para imunização contra a gripe, na população idosa.

A DOENÇA

É mais comum em crianças ("paralisia infantil"), mas também ocorre em adultos, como a transmissão do poliovírus "selvagem" pode se dar de pessoa a pessoa através de contato fecal-oral, o que é crítico em situações onde as condições sanitárias e de higiene são inadequadas. Crianças de baixa idade, ainda sem hábitos de higiene desenvolvidos, estão particularmente sob risco. O poliovírus também pode ser disseminado por contaminação fecal de água e alimentos.
Todos os doentes, assintomáticos ou sintomáticos, expulsam grande quantidade de vírus infecciosos nas fezes, até cerca de três semanas depois da infecção do indivíduo. Os seres humanos são os únicos atingidos e os únicos reservatórios, daí a vacinação universal poder erradicar essa doença completamente.

Progressão e sintomas
O período entre a infecção com o poliovírus e o início dos sintomas (incubação) varia de 3 a 35 dias. A descrição seguinte refere-se à poliomielite maior, paralítica, mas esta corresponde a uma minoria dos casos. Na maioria o sistema imunitário destrói o vírus em alguma fase antes da paralisia (ver mais à frente).

A infecção é oral e há invasão e multiplicação do tecido linfático da faringe (tonsilas ou amígdalas). Ele é daí ingerido e sobrevive ao suco gástrico, invadindo os enterócitos do intestino a partir do lúmen e aí multiplicando-se.As manifestações iniciais são parecidas com as de outras doenças virais. Podem ser semelhantes às infecções respiratórias (febre e dor de garganta, gripe) ou gastrointestinais (náuseas, vômitos, dor abdominal).
Em seguida dissemina-se pela corrente sangüínea e vai infectar por essa via os órgãos. Os mais atingidos são o sistema nervoso incluindo cérebro, e o coração e o fígado. A multiplicação nas células do sistema nervoso (encefalite) pode ocasionar a destruição de neurônios motores, o que resulta em paralisia flácida dos músculos por eles inervados.

Assessoria


Servidores do Controle de Endemias lutam para permanecer no cargo



Os agentes do setor de combate às endemias no Juruá suspenderam as atividades desde a semana passada em protesto ao concurso que foi anunciado pelo governo para a contratação de novos servidores para o setor. Os agentes temem perder o cargo caso não sejam aprovados no certame, já que o contrato de trabalho temporário que mantém a equipe no cargo vence este ano. O movimento conta com o apoio de parlamentares que defendem a manutenção dos trabalhadores na função.


Os agentes do setor de combate às endemias no Juruá suspenderam as atividades desde a semana passada em protesto ao concurso que foi anunciado pelo governo para a contratação de novos servidores para o setor. Os agentes temem perder o cargo caso não sejam aprovados no certame, já que o contrato de trabalho temporário que mantém a equipe no cargo vence este ano. O movimento conta com o apoio de parlamentares que defendem a manutenção dos trabalhadores na função.

A greve já dura mais de uma semana e os agentes que trabalham no combate à malária nos municípios de Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves e Mâncio Lima afirmam que só retomam as atividades se foram atendidos pela Secretaria Estadual de Saúde. Os servidores querem que o Governo do Estado anule o concurso e mantenha a equipe que já está atuando há mais dois anos, alguns têm mais de 5 anos de experiência no controle da malária na região do Juruá.

“Já fizemos história aqui no combate a malária. Nós reduzimos todos os índices da doença aqui na nossa região e hoje temos bastante experiência quando se trata de combater a malária. Então, não podemos ser descartados como um objeto qualquer. Somos pais de família e precisamos trabalhar para sustentar nossos filhos e, além disso, a população não pode enfrentar novamente o que sofreu com a malária aqui na nossa região” – disse Carlos, representante do movimento de greve.

Durante a greve os funcionários do Setor de Combate às Endemias realizaram diversas manifestações com o objetivo de pressionar o governo para atender as reivindicações. Na sexta-feira (12), os 129 agentes que trabalham nos três municípios se reuniram em Cruzeiro do Sul e realizaram uma caminhada pelo Centro da Cidade. O movimento teve a participação de vereadores dos três municípios e dos deputados estaduais Donald Fernandes e Idalina Onofre. O deputado Gladson, por telefone direto de Brasília, também manifestou apoio aos servidores.

Nesta terça-feira uma comissão representantes dos agentes de endemias foi à Rio Branco para discutir as propostas dos servidores com o Governo.