sexta-feira, 26 de junho de 2009

Gladson aposta no intercâmbio Cruzeiro-Pucalpa.



Depois de três dias junto esta semana com a comitiva acreana que visitou a cidade de Pucalpa,na Amazônia peruana,o deputado Gladson Cameli garantiu,ontem em Cruzeiro do Sul,que a integração do vale do Juruá com esta região do Peru,”é uma exigência econômica e social que só trará benefícios para ambos os lados”.



Depois de três dias junto esta semana com a comitiva acreana que visitou a cidade de Pucalpa,na Amazônia peruana,o deputado Gladson Cameli garantiu,ontem em Cruzeiro do Sul,que a integração do vale do Juruá com esta região do Peru,”é uma exigência econômica e social que só trará benefícios para ambos os lados”.

O deputado a acreano reiterou que há uma enorme interesse da própria população local para que o intercâmbio se consolide,”já que todos só tem a lucrar em qualquer dos níveis e setores da atividade econômica”.

Gladson insistiu que cabe agora ao Brasil diminuir paulatinamente as barreiras alfandegárias e burocráticas propriamente ditas para que esta região fronteiriça do Juruá, ”possa efetivamente intensificar suas relações de troca com todo o Departamento de

Ucayali e particularmente sua capital, a cidade de Pucalpa”. Segundo ele, os deputados da bancada acreana que acompanharam a comitiva se comprometeram em fazer um esforço concentrado em Brasília para que o Governo brasileiro encontre formas de facilitar e abrandar as exigências aduaneiras para que o comércio se fortaleça e se consolide. ”O primeiro passo começa por reativar a linha aérea entre Pucalpa e Cruzeiro do Sul e retomar o status internacional do aeroporto de Cruzeiro do Sul com a reorganização da alfândega local”.

O deputado informou que no encontro em Pucalpa com as autoridades peruanas ficou acertado acelerar o processo de integração econômica e social com a reativação das trocas nos setores comercial e cultural, ”que apesar de todas as dificuldades se mantiveram vivos e lucrativos durante décadas”. E lembrou ainda da posição estratégica de Cruzeiro,fim de linha da BR 364,e Pucalpa,início da Transcarretera que chega a lima,na costa do Pacífico.Com as dificuldades ambientais atuais para a consolidação da ligação terrestre Cruzeiro-Pucalpa,segundo Gladson, a solução será retomar a ligação aérea e baratear custos para um maior fluxo de produtos.

“ Para o deputado, existe uma enorme perspectiva econômica na troca de carne brasileira por hortifrutigranjeiros do Departamento de Ucayali,” que pode ser estimulada em curtíssimo prazo, dependendo da boa vontade e empenho das partes interessadas”. Outro setor de interesse imediato,de acordo com o parlamentar,é o turístico,”já que Macchu Picchu se tornou uma das maiores atrações turísticas do mundo,e pode aumentar este fluxo com a chegada de brasileiros via Cruzeiro do Sul”.

Gladson enfatizou,no entanto, que a soja brasileira e o fosfato peruano ,”podem representar o elo definitivo para a consolidação de um corredor dado o alto grau de lucratividade dos 2 produtos.Uma comitiva peruana de cerca de 300 representantes ficou de visitar Cruzeiro do Sul durante a Expo-Acre Juruá deste ano.

Quase duas mil toneladas de drogas são incineradas no Acre



No Dia Mundial de Combate às Drogas e como parte da programação da 11ª Semana Nacional sobre Drogas no Acre quase duas mil toneladas de entorpecentes foram incineradas em Rio Branco nesta sexta-feira. São 1700 quilos de maconha e cocaína que passaram pelos exames preliminar e definitivo.

Viviane Teixeira


Atividade faz parte da Semana Nacional Sobre Drogas


De acordo com o superintendente regional da Polícia Federal no Acre, Luiz Carlos Calazane, a droga é fruto das operações de apreensão nas fronteiras do Estado com o Peru e a Bolívia. “Com o apoio das demais forças policiais estamos intensificando nosso trabalho de repressão em relação ao narcotráfico”.

O superintendente enfatizou ainda que a quantidade incinerada de droga no Acre é a segunda maior do país, perdendo apenas para o Mato Groso. “De 2006 para 2008 aumentamos em 100% a quantidade de entorpecente apreendida”.

A Polícia Federal e a Secretaria de Estado de Segurança, através da Polícia Militar e Civil, e a Polícia Rodoviária Federal realizam um trabalho na área ostensiva e preventiva e também com serviços de inteligência, inclusive com aumento do efetivo e de equipamentos.

O tenente coronel Júlio César, representando o comando da PM, acompanhou a operação e destacou o fortalecimento das ações na área de fronteira. “Trabalhamos para diminuir o tráfico de drogas na região”.
Durante essa semana foram realizadas diversas atividades com o objetivo de conscientizar as pessoas em relação aos malefícios do uso de drogas. Alunos da rede pública participaram de caminhadas, oficinas e palestras.

“Nosso trabalho é fazer com que as pessoas não procurem as drogas. E para isso, é preciso o envolvimento das famílias, igrejas, imprensa e dos órgãos de repressão. Ser feliz é estar com a mente limpa”, destacou o presidente do Conselho Estadual de Entorpecentes, Mário Elder.

Fotos: Sergio Vale

AMAJ alerta para necessidade de proteção das águas



A Organização Não Governamental "Amigos das Águas do Juruá (AMAJ)", fundada em 2006, para defender os recursos hídricos e lutar pela proteção das águas dos rios, lagos e igarapés da bacia do Juruá, desenvolve um trabalho de conscientização para o perigo do assoreamento e o desmatamento das matas ciliares que pode comprometer até o abastecimento da população.


A Organização Não Governamental "Amigos das Águas do Juruá (AMAJ)", fundada em 2006, para defender os recursos hídricos e lutar pela proteção das águas dos rios, lagos e igarapés da bacia do Juruá, desenvolve um trabalho de conscientização para o perigo do assoreamento e o desmatamento das matas ciliares que pode comprometer até o abastecimento da população.

A ONG funciona com apoio do Fundo Brasileiro da Biodiversidade (FunBio) que disponibilizou recursos no valor de R$ 49 mil, utilizados na compra de computadores, mesas, máquina fotográfica e um motor de 20 HP e canoa para viagens ao longo dos rios.

Um dos idealizadores da AMAJ é o líder seringueiro e ativista ambiental, Antonio de Paula, que chegou à região em 1950 e dedicou sua vida a organização dos seringueiros, participando diretamente da criação da Reserva Extrativista do Alto Juruá e da Associação dos Agricultores e Seringueiros da Reserva (Asareaj) que realizou grandes investimentos beneficiando a comunidade nas áreas de saúde, educação, comunicação e produção.

"Antigamente, durante todo o verão, navegavam rebocadores e alvarengas de duas proas. Hoje, as balsas estão ficando lá embaixo por falta de água no Rio Juruá que está secando. É uma realidade. Esta hidrovia tem sofrido as conseqüências dos abusos cometidos contra a natureza ao longo dos tempos, sendo necessário alguém de coragem para enfrentar esta situação, fazendo um trabalho de educação continuada, senão a situação será ainda mais caótica no futuro", disse Antonio de Paula.

Nestes dois anos de trabalho a AMAJ realizou estudos e a identificação de áreas problemáticas nos municípios da região, além de palestras de conscientização para a necessidade de proteger e impedir a derrubada das matas ciliares, que ficam localizadas na beira dos rios e igarapés e sua derrubada prejudica o eco-sistema.
Segundo Antonio de Paula, há 60 anos atrás, tinha um rebocador que pegava 100 toneladas de borracha e navegava até a Foz do Rio Bajé, dentro do Tejo. Atualmente, na época da seca, não anda nem batelão de 2 mil quilos, pois na vazante quem entrou só volta se for empurrando o barco.

O ambientalista destaca que as matas ciliares são um sistema de defesa dos rios contra o assoreamento e as imundices.
“ É como os cílios dos nossos olhos, elas protegem as águas da poluição. É preciso orientar a população para não jogar lixo - animais mortos, tambores, sacolas de plástico - no leito do rio. Muitas vezes os descuidos e maus tratos com os rios são feitos por ignorância", disse.

Igarapés que cortam a cidade e o interior também estão com as matas ciliares desmatadas e as águas poluídas, diz Antonio de Paula, que mostra um grande número de sacolas na praia e no local onde o igarapé se encontra com o rio.

"O Boulevard e o São Salvador estão sendo poluídos pela população que joga lixo nos leitos destes igarapés. No São Salvador, por exemplo, é coletada a água para distribuição na cidade, apesar da poluição. No Canela Fina, que na verdade é o Sacado da Alemanha, foram feitas represas, prejudicando as matas da beira do igarapé que morreram. O Ministério Público e o IBAMA notificaram estes proprietários para retirar as barragens, mas na verdade houve um grande prejuízo pois o igarapé secou e quem ficou prejudicado foram os usuários das águas do igarapé", finalizou.

A atual diretoria da AMAJ está composta pelos seguintes membros: Leôncio Cerqueira, diretor Geral; Antonio de Paula, suplente e atual diretor em exercício; Sergilene de Araujo, diretora de finanças; Luiz Ferreira, Diretor Técnico e Secretário Geral; Jardson, suplente; Lindomar Rezende é assessora técnica.

Advogados cruzeirenses implantam Banca de advocacia



Um grupo de advogados, liderados pelo advogado cruzeirense Otoniel Turi, visitaram o município na semana anterior para conhecer as instalações do Poder Judiciário, Fóruns, Delegacias, Ministério Público, Defensoria Pública e brevemente instalar em Cruzeiro do Sul uma filial da Banca de Advocacia que já funciona em Rio Branco e prestar serviços na área do Direito Cível, Criminal, Tributário e Trabalhista.



Um grupo de advogados, liderados pelo advogado cruzeirense Otoniel Turi, visitaram o município na semana anterior para conhecer as instalações do Poder Judiciário, Fóruns, Delegacias, Ministério Público, Defensoria Pública e brevemente instalar em Cruzeiro do Sul uma filial da Banca de Advocacia que já funciona em Rio Branco e prestar serviços na área do Direito Cível, Criminal, Tributário e Trabalhista.

A Banca é formada pelos advogados Dr. Patrick Carvalho (Criminalista), Dra.Isa bela Datela (Direito de Família), Dr. José Luiz Gondim (Direito Tributário), Dra.Isnail da Silva (Direito Trabalhista) Dr Kelmy e Dr. Otoniel (causas Cíveis, Empresariais e Bancárias). Além da advocacia a banca vai oferecer assessoria jurídica, palestras, consultoria e advocacia preventiva para empresas.

"É um momento de muita satisfação estar retornando a minha cidade natal para prestar nossos serviços de advocacia e desta vez acompanhado de colegas especialistas em várias áreas do Direito. Fomos bem recebidos e percebemos que Cruzeiro do Sul tem bons juízes, delegados, promotores, defensores públicos, além de bons colegas advogados", disse o Dr. Otoniel Turi.

Segundo o advogado o mercado da advocacia no Juruá não está saturado, principalmente pela recente ligação rodoviária com os municípios de Tarauacá e Feijó, além da proximidade com os municípios de Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Mâncio Lima e Rodrigues Alves. “Fazemos uma advocacia diferente, pois entendemos que advogar não é só receber o cliente propor a ação, é prestar contas ao cliente de tudo que acontece", disse.

A advogada Isnailda também é cruzeirense e retorna ao seu município depois de sete anos. " Fui Para Rio Branco em busca de um grande sonho que hoje se tornou realida- de e queremos prestar um bom trabalho para a sociedade cruzeirense", disse.
A Advogada Isabela Datela ressaltou que está no Acre há três anos, trabalhando em Rio Branco e agora está chegando a Cruzeiro do Sul para prestar um serviço de qualidade e conquistar uma boa clientela.

O advogado Patrick Carvalho, que também é acreano, destacou a parceria com o Dr. Otoniel Turi, afirmando que o objetivo da implantação da banca em Cruzeiro do Sul é fazer uma advocacia humanista onde o cliente é tratado como parceiro.
A nova Banca de Advocacia será inaugurada brevemente.