quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Gladson critica suspensão de vôo



O deputado Gladson Cameli cobrou esta quarta-feira, em Brasília, uma posição clara e definitiva da Gol Linhas Aéreas em relação à suspensão (cancelamento) repentina de vôos em razão dos feriados correntes. Segundo o deputado, a companhia remaneja a aeronave para rotas mais rendosas em detrimento das rotas usuais, como é o caso de Rio Branco e Cruzeiro do Sul.No final, segundo o parlamentar, é a população que padece , já que sequer é avisada a tempo do cancelamento do vôo para tomar as providências que achar conveniente.”

O deputado Gladson Cameli cobrou esta quarta-feira, em Brasília, uma posição clara e definitiva da Gol Linhas Aéreas em relação à suspensão (cancelamento) repentina de vôos em razão dos feriados correntes. Segundo o deputado, a companhia remaneja a aeronave para rotas mais rendosas em detrimento das rotas usuais, como é o caso de Rio Branco e Cruzeiro do Sul.No final, segundo o parlamentar, é a população que padece , já que sequer é avisada a tempo do cancelamento do vôo para tomar as providências que achar conveniente.”Mesmo pagando uma tarifa exorbitante, o passageiro fica a mercê das conveniências e interesses da companhia”, disse o deputado.

De fato, o cancelamento repentino de vôos sem qualquer informação aos passageiros vem sendo freqüente, sobretudo nos meses de menor ocupação das aeronaves e maior ocorrência de feriados. O parlamentar lembrou ainda que muitos casos de transporte de doentes e pacientes de Tratamento Fora Domicílio (TFD) tiveram de ser abruptamente transferidos ou mesmo cancelados, ”colocando em risco a saúde ou mesmo a própria vida dos passageiros”. Gladson lembrou ainda que o próprio transporte de passageiros em maca foi conseguido a muito custo e mesmo com intervenção judicial,”pela intransigência e até desumanidade da companhia,que se negava a levar os doentes”.

Além do constrangimento e aborrecimentos de praxe que o cancelamento, via de regra, provoca, a freqüência da suspensão dos vôos vem causando até mesmo prejuízo para pessoas que viajam a negócios e não podem sofrer atrasos ou cancelamentos de viagens. O mesmo vem acontecendo com o transporte de certas mercadorias mais sensíveis e de pronta entrega ,que não resistem a atrasos sob pena de perecimento irreversível.’sob todos os aspectos,o cancelamento é um transtorno que vem se repetindo sem o menor respeito ou consideração ao passageiro’,garantiu o deputado.

O deputado enfatizou ainda que tanto a tarifa alta quanto o cancelamento sem qualquer informação prévia já foram objeto de audiência pública e reunião extraordinária na Comissão de Transporte da Câmara Federal. de acordo com o deputado,houve o compromisso explícito da Gol em adiar aumentos e evitar suspensão de vôos.”Apesar disto,o que se viu foi a prática de preços abusivos e até mesmo o aumento de cancelamentos de vôos sem qualquer explicação ou tentativa de reparo por parte da empresa”,resumiu o parlamentar. Ele afirmou que exigir explicações plausíveis da Gol Linhas Aéreas, ”até porque é parte de nossa função de fiscal”.

E ainda não descarta a utilização do próprio PROCON, ”para acabar de vez com esta prática humilhante para o usuário,que muitas vezes é obrigado a dormir no próprio aeroporto à espera do próximo vôo”.

Vice-prefeito de Porto Walter é hospitalizado depois de acidente de trânsito



O vice-prefeito de Porto Walter, Zezinho Gadelha (PCdoB), retornava de um sítio da família na tarde de domingo (25), quando colidiu com outro motoqueiro. As duas motos trafegavam em alta velocidade numa estrada de chão batido e a colisão foi inevitável. O impacto foi tão forte que descolou o fêmur de Gadelha que caiu no chão e o motoqueiro sem controle ainda passou por cima do vice-prefeito.


O vice-prefeito de Porto Walter, Zezinho Gadelha (PCdoB), retornava de um sítio da família na tarde de domingo (25), quando colidiu com outro motoqueiro. As duas motos trafegavam em alta velocidade numa estrada de chão batido e a colisão foi inevitável. O impacto foi tão forte que descolou o fêmur de Gadelha que caiu no chão e o motoqueiro sem controle ainda passou por cima do vice-prefeito.

Zezinho Gadelha recebeu os primeiros atendimentos médicos ainda em Porto Walter e foi transferido na manhã de Segunda-Feira para Cruzeiro do Sul, onde foi encaminhado ao centro cirúrgico, mas não foi necessário cirurgia, uma vez que não houve fraturas.

O vice-prefeito continua internado no Hospital do Juruá, onde se recupera do acidente, mas não sabe quando terá alta médica para retornar ao seu município.

Tratores da prefeitura já beneficiaram quase 300 produtores rurais


Cruzeirenses que todos os dias compram nos mercados às margens do Rio Juruá, no centro da cidade, produtos da região como melancia, feijão e arroz, milho e hortaliças, entre outros, sequer imaginam a guerra que precisou ser vencida contra o tempo para a prefeitura recuperar tratores semi-destruídos há anos e correr em socorro de quase 300 pequenos produtores rurais.

Cruzeirenses que todos os dias compram nos mercados às margens do Rio Juruá, no centro da cidade, produtos da região como melancia, feijão e arroz, milho e hortaliças, entre outros, sequer imaginam a guerra que precisou ser vencida contra o tempo para a prefeitura recuperar tratores semi-destruídos há anos e correr em socorro de quase 300 pequenos produtores rurais. De acordo com o prefeito Vagner Sales, eles se sentiam abandonados por vários gestores que se sucederam na administração municipal. Aproximadamente 400 hectares na zona rural foram beneficiados, este ano, com o arado mecanizado através de máquinas recuperadas pela prefeitura.

O trabalho, que começou em junho e continuará até quando a chuva permitir, alcançou 16 comunidades em localidades como Badejos, Santa Bárbara, Santa Rosa, São Pedro, Mariana, Vila Lagoinha e Santa Luzia, entre outras. Para o prefeito Vagner Sales, “a idéia é fazer muito mais em 2010, com a aquisição de novas máquinas e insumos que tornem a terra ainda mais produtiva”.

Para isso o prefeito solicitou ao secretário de Agricultura, Erni XXX, que desenvolva projetos que possam ser encaminhados à bancada federal acreana e a diferentes órgãos do governo federal. Acostumado com a vida no campo, o prefeito Vagner Sales, acredita que o solo de Cruzeiro do Sul está exaurido por causa de muitos anos de queimadas e de plantio de uma só cultura, a da mandioca.
O secretário e engenheiro agrônomo Erni XXX explica que entre os projetos que estuda com a sua equipe, está incluído um programa para o enriquecimento do solo a partir do plantio de leguminosas, sem deixar de fora também a aplicação de calcário em larga escala na região.

Em sua opinião, a sensibilidade do prefeito, como homem do campo, facilitou o trabalho da sua secretaria. Erni lembra que em meados de maio, a Secretaria de Agricultura contava apenas com dois tratores que davam conta apenas de auxiliar o transporte da produção em localidades de difícil acesso, em ramais de Santa Luzia, Santa Rosa, São Pedro e Buritirana.

“O prefeito não desistiu e conseguiu comprar as peças para recuperar os tratores que estavam parados a muitos anos na garagem. Finalmente, em agosto, já podíamos contar com os cinco tratores da prefeitura rodando em diferentes pontos da zona rural”, conta o secretário. Hoje, fazendo uma avaliação preliminar, ele acredita que seria ideal, para atender a todos os agricultores de Cruzeiro do Sul, que a prefeitura pudesse contar nos próximos anos com pelo menos 12 tratores. Mas essa já uma outra guerra a ser vencida pela gestão atual.

Relatório

De acordo com documento da Secretaria de Agricultura, nas localidades de Badejo do Meio, Sacado da Alemanha e Boa Vista, foi mecanizada uma área de 56ha, o que beneficiou 30 produtores rurais. Em Santa Bárbara e Santa Maria, 42 produtores contaram com a ajuda dos tratores para arar 42ha.
Nas localidades de Santa Rosa, São Pedro, Mariana I e II, no Ramal dos Paulinos e Buritirana, uma área de 182ha, de 152 produtores, também contaram com a ajuda dos tratores da prefeitura. O mesmo aconteceu na Vila Lagoinha e Santa Luzia, com 35 produtores, proprietários de 45ha; e em Mourapiranga, Assis Brasil e Pentecostes, onde 26 agricultores também contaram com o apoio da prefeitura para arar seus 28ha.

Assessoria