terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Morhan de Cruzeiro do Sul elege nova diretoria


O Movimento de Reintegração dos Hansenianos (Morhan) de Cruzeiro do Sul elegeu hoje a nova diretoria que vai comandar a entidade pelos próximos dois anos. Como se apresentaram duas chapas, a eleição foi decidida no voto, ganhando a chapa 02 com 59 votos, que tinha na cabeça, candidato a presidente, o ex-hanseniano Raimundo Nonato da Costa Leite e como vice Emilio Lavoisier.

Flaviano Schneider
O Movimento de Reintegração dos Hansenianos (Morhan) de Cruzeiro do Sul elegeu hoje a nova diretoria que vai comandar a entidade pelos próximos dois anos. Como se apresentaram duas chapas, a eleição foi decidida no voto, ganhando a chapa 02 com 59 votos, que tinha na cabeça, candidato a presidente, o ex-hanseniano Raimundo Nonato da Costa Leite e como vice Emilio Lavoisier.

Raimundo Nonato esteve exercendo o cargo de vice-presidente temporariamente durante sete meses, juntamente com a presidente, Eliane Gonçalves da Silva Néri, que é coordenadora do programa de hanseníase da prefeitura municipal. Raimundo Nonato tem grande convivência entre os ex-hansenianos, tendo sido enfermeiro voluntário no Hospital de Dermatologia durante 17 anos. Ele explica que nesses sete meses como vice-presidente pegou experiência na área administrativa e pretende dar continuidade ao trabalho que vinha sendo feito e ainda melhorá-lo.

Para ele o Morhan local, que tem cerca de 360 associados, ainda carece de uma maior aproximação com a sociedade de maneira a resgatar os direitos que durante décadas foram negados aos ex-hansenianos, contato que deverá ser iniciado pelas escolas. “Fico triste quando surge mais um contaminado pela doença principalmente quando é jovem e quero lutar contra isso” – disse.

Ele disse que tem muito a agradecer ao governador Binho Marques e ao médico Osvaldo Leal, secretário de Saúde. “O governador pegou na minha mão, conversou comigo e garantiu apoio às nossas reivindicações e o Dr. Osvaldo chegou ao ponto de fornecer seu celular pessoal para que a gente pudesse se comunicar diretamente com ele assim que surgir qualquer problema. Já o senador Tião Viana é o parlamentar que orgulha o Acre e todo participante do movimento tem uma eterna dívida de gratidão para com ele, por ter sido o responsável pelo estabelecimento da pensão vitalícia para ex-hansenianos” disse. Segundo Raimundo, 52 ex-hansenianos já estão recebendo a pensão em Cruzeiro do Sul.

A ex-presidente Eliane contou que não tinha grande aproximação com o Morhan e que nesses sete meses adquiriu grande experiência. Pare ela a eleição de Raimundo foi importante, pois garante a continuidade do trabalho que vinha sendo realizado. “Embora não seja mais presidente, estou à disposição do Morhan para ajudar sempre que possível” – disse.

Bacurau pregou o amor e a união

A ex-coordenadora e hoje assessora da Central de Articulação das Entidades de Saúde (CADES) – entidade que defende os interesses de 23 organizações ligadas à saúde - veio de Rio Branco para presidir a eleição. Para ela, o ideal é que tivesse apenas uma chapa e a nova diretoria fosse eleita por aclamação, para facilitar a vida dos ex-hansenianos, muitos deles sequelados pela doença com evidentes dificuldades para votar e também por que Bacurau - ex-hanseniano criador do Morhan - sempre pregou o amor e a união como forma de atingir os objetivos. Ela considera que, em organizações como o Morhan, o ideal é que as eleições sejam feitas por aclamação: “Hoje a realidade é a do diálogo” – disse.

Verônica que também esteve em Cruzeiro do Sul quando da realização da eleição para o mandato temporário informou que neste período de sete meses o Morhan avançou: organizou o estatuto de acordo com o novo Código Civil, elaborou a ata, resolveu questões referentes ao imposto de renda e conseguiu uma maior aproximação com o Hospital de Dermatologia, onde obteve, através do secretário de Saúde, uma sala equipada para atendimento aos ex-hansenianos e ainda estabeleceu uma parceria com acadêmicos de Enfermagem da UFAC.

Semifinal do campeonato Cruzeirense de futebol termina com pancadaria



Estádio Cruzeirão ficou lotado para a partida entre São Cristóvão e Palmeiras, na noite de quinta-feira (26) que disputavam à segunda vaga da final do 2º turno do Campeonato Cruzeirense. A equipe vencedora enfrentaria a equipe do Juruá que já havia se classificado com uma vitória sobre o Grêmio por 3x2. O Palmeiras venceu o São Cristóvão por 1x0, mas os dirigentes da equipe derrotada reclamaram da atuação do árbitro que teria beneficiado o adversário ao não expulsar o zagueiro Mauricio que derrubou o atacante do Palmeiras o que era o último homem da zaga em uma jogada de ataque. Inconformado com a derrota o técnico do São Cristóvão, Ronivon, partiu para a agressão contra árbitro Fabio Santos, mas foi impedido pelos seguranças. Na confusão o segurança Mauri Amaral acabou sendo atingido por Ronivon com um soco no rosto.

Francisco Rocha

O Estádio Cruzeirão ficou lotado para a partida entre São Cristóvão e Palmeiras, na noite de quinta-feira (26) que disputavam à segunda vaga da final do 2º turno do Campeonato Cruzeirense. A equipe vencedora enfrentaria a equipe do Juruá que já havia se classificado com uma vitória sobre o Grêmio por 3x2. O Palmeiras venceu o São Cristóvão por 1x0, mas os dirigentes da equipe derrotada reclamaram da atuação do árbitro que teria beneficiado o adversário ao não expulsar o zagueiro Mauricio que derrubou o atacante do Palmeiras o que era o último homem da zaga em uma jogada de ataque. Inconformado com a derrota o técnico do São Cristóvão, Ronivon, partiu para a agressão contra árbitro Fabio Santos, mas foi impedido pelos seguranças. Na confusão o segurança Mauri Amaral acabou sendo atingido por Ronivon com um soco no rosto.

A tentativa de agressão ao árbitro no final da partida causou um grande tumulto envolvendo muitos jogadores. Depois que o técnico do São Cristóvão não conseguiu atingir o árbitro Ronivon, investiu contra o segurança o atingindo com um soco no rosto que causou um corte sobre o supercílio. O presidente do clube, o ex-vereador e policial civil, Estevão Silva e jogadores do São Cristóvão também se envolveram na pancadaria e os seguranças e três policiais militares que estavam no estádio não conseguiram conter os torcedores que também invadiram o gramado e participaram da briga. Apesar de toda a confusão a `Polícia Militar não prendeu nenhum dos envolvidos, apenas registrou um boletim informativo relatando o que aconteceu no Estádio.

O segurança agredido registrou um Boletim de Ocorrência (BO) na Delegacia Geral de Policia, assim também como a liga Cruzeirense de Futebol (LCF) e o Departamento de Esporte da Prefeitura de Cruzeiro do Sul onde relataram à situação citando o nome dos autores da confusão que deverão ser punidos pela LCF.

“O técnico do São Cristóvão agrediu o bandeirinha e partiu em direção ao árbitro, sendo impedido por mim, que fui agredido e sofri um corte na região frontal da cabeça e vários hematomas pelo corpo. Quando o Ronivon veio para cima do árbitro não deixei ele agredi-lo. Então, ele me deu um soco no rosto, me aguarrei com ele, foi quando veio para cima de mim o Estevão, sua mulher, a filha, o filho, além dos jogadores. Não pude fazer nada’’, contou Mauri.

Vitória do esforço.



O problema do transporte no Acre sempre foi prioritário independente de época, governos e partidos. Um Estado de posição geográfica estratégica -no extremo Ocidente brasileiro- por décadas isoladas pela distância dos grandes centros,que ainda hoje vive na dependência da época favorável para utilização de suas estradas e navegabilidade de seus rios.

O problema do transporte no Acre sempre foi prioritário independente de época, governos e partidos. Um Estado de posição geográfica estratégica -no extremo Ocidente brasileiro- por décadas isoladas pela distância dos grandes centros,que ainda hoje vive na dependência da época favorável para utilização de suas estradas e navegabilidade de seus rios. Que o diga o Vale do Juruá,onde a comunidade ainda luta pela uma pavimentação completa e perene da BR 364 e a navegação do Juruá ainda consome um tempo demasiado longo.Por sito mesmo, desde o início de meu mandato venho me esforçando junto ás autoridades federais para trazer mais empresas aéreas para o Acre, a fim de garantir uma concorrência que traga maior oferta de vôos.maior capacidade de carga e uma tarifa mais em conta.

A chagada da Trip Linhas Aéreas no Acre nesta primeira quinzena de dezembro é uma prova disto. Desta vez, é uma linha área regional que coloca o Acre em seu trajeto e promete facilitar a vida de toda a comunidade do Estado com vooos que vão interligar a região a todo o resto do Brasil. A entrada da Trip vem implementar uma nova política de oferecer maior integração entre pequenas localidades. Acontece que muitas cidades de fronteira, ainda que próximas, não tem ligação aérea e o acesso por via terrestre é precário.O ministro da Defesa,Nelson Jobim. tem trabalhado com empresas regionais brasileiras em duas frentes e já tem demonstrado um firme propósito de mudar o mapa aéreo da Amazônia.

Primeiramente, o objetivo é criar um projeto de integração regional entre estes locais. Um exemplo clássico é a ligação entre a cidade de Cruzeiro do Sul,no Acre,e Pucalpa,no Peru.O projeto, já conta com a troca de mercadorias via aérea iniciada já na Expo - Juruá deste ano.São, por enquanto, hortifrutigranjeiros peruanos trocados por carne acreana.Em segundo lugar,o Ministério da Defesa já tornou pública sua vontade em criar novas linhas regionais com incentivo direto no barateamento de seus custos operacionais,em particular no preço do combustível de aviação auxiliado com o estímulo de governos locais,na diminuição de impostos incidentes. Será, sem duvida, uma nova era no mercado aéreo amazônico, aos poucos tomado por empresas regionais ,nacionais e internacionais.

O que importa mesmo é que agora, já a partir deste dezembro, o acreano poderá contar com uma empresa aérea a mais para o deslocamento de passageiros e transporte de mercadorias. Operando com aeronaves do tipo ATR 72,turbo-hélice de 68 lugares,a Trip deverá sair pela manhã de cruzeiro do Sul com destino a Rio Branco,chagando a Cuiabá por volta de 10:00 hs.Os passageiros terão ainda direito a conexão direta para Guarulhos,em jato 175 da Embraer.Quero ter o prazer e a satisfação de participar do vôo inaugural deste empresa para o Acre.Uma vitória do esforço na quebra de monopólios e na tentativa determinada de fortalecer a concorrência.Parabéns a todos os acreanos.

Gladson Cameli é engenheiro civil e deputado federal pelo PP do Acre.