quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Dificuldade de tráfego nos ramais prejudica manutenção de rede de energia nas comunidades rurais


Geralmente as comunidades rurais da região do Juruá passam dias sem energia elétrica em função de problemas na rede da ELETREOACRE. De acordo a empresa, devido às dificuldades de acesso a muitas localidades, o trabalho de manutenção se torna bastante difícil. Na última semana, as comunidades localizadas ao longo da BR 307, desde a Sede Social do SINTEAC até o Belo Monte, ficaram sem energia durante dois quase dias por motivo de um poste que tombou e interrompeu o fornecimento.



Geralmente as comunidades rurais da região do Juruá passam dias sem energia elétrica em função de problemas na rede da ELETREOACRE. De acordo a empresa, devido às dificuldades de acesso a muitas localidades, o trabalho de manutenção se torna bastante difícil. Na última semana, as comunidades localizadas ao longo da BR 307, desde a Sede Social do SINTEAC até o Belo Monte, ficaram sem energia durante dois quase dias por motivo de um poste que tombou e interrompeu o fornecimento.

O poste de uma extensão de rede no Ramal dos Carobas caiu durante a manhã de quinta-feira, 21, e só à noite os moradores conseguiram informar aos servidores de plantão que imediatamente foram ao local, verificaram a situação, mas não foi possível resolver o problema ainda durante à noite. No dia seguinte, cedo da manhã, a equipe da empresa que presta serviços de manutenção de rede para a ELETRAOACRE, foi até a comunidade para recuperar a rede de energia que estava ao chão.

Os funcionários da terceirizada levaram quase duas horas para chegar até a comunidade e, mesmo os carros com tração nas quatro rodas, tiveram dificuldades de locomoção devido a forte chuva que já durava mais de 15 horas e castigava a estrada. Em meio aos atoleiros, na viagem de ida, os eletricistas inspecionavam toda a rede de energia na extensão da BR para verificar se havia mais algum problema.
Felizmente, no restante da rede estava tudo sob controle. Desta forma, foi possível restabelecer o fornecimento de energia para as outras comunidades e isolar apenas a área do ramal onde o poste estava ao chão, para realizar o reparo.

No local, o poste de madeira que havia sofrido o desgaste ocasionado pela chuva e pelo tempo de uso, quebrou no tronco e caiu com os fios e o transformador que alimentava as casas.
Enquanto os técnicos não chegavam, os moradores aguardavam ansiosos pela recuperação da rede para que pudessem ter de volta os benefícios da elreticidade, os quais usufruem há menos de dois anos. Os moradores do ramal dos Carobas foram beneficiados com a rede de energia somente em 2008 e a grande maioria já tem em casa os aparelhos básicos para a comodidade da família.

O aposentado Francisco Santos de Lima, que hoje pode assistir a programação da TV, conservar os alimentos na geladeira, iluminar a casa e ter o conforto proporcionado por outros aparelhos eletrônicos, disse que sua família mudou de vida depois que foi beneficiada com o programa do Governo Federal. “Tudo é mais favorável agora. Comemos alimentos mais conservados, estamos informados de tudo mesmo morando distante da cidade e temos todo conforto que precisamos aqui” – afirmou o aposentado.
Para chegar ao exato local onde apresentou o problema, os técnicos ainda precisaram deixar os carros e caminhar por mais 500 metros. Já era final da manhã quando o trabalho começou pra valer. Na correria contra o tempo, para recuperar a rede antes do cair da noite, os trabalhadores tiveram que providenciar outro poste, fazer a limpeza de um desvio no ramal para instalar a rede por um atalho, suspender fios e o um novo transformador.

O serviço foi bastante perigoso. Já que não existia outra haste de madeira, nem foi possível chegar ao local com poste de concreto para substituir o que caiu, o jeito foi instalar os fios e o transformador, no que os técnicos chamam de poste vivo, ou seja, uma árvore que foi podada servirá, a partir de agora, para sustentar a rede de energia. O perigo maior foi para fazer a poda da árvore que tinha mais de 20 metros de altura.

De acordo com o responsável pela parte de manutenção da Eletroacre, Rui Guilherme de Sena, já é proibida a utilização de postes de madeira, mas, em muitos casos, não tem outro jeito para atender os consumidores. “Se não fizermos isso, não teremos como recuperar essa rede de energia, porque foi feita pelo Estado do Amazonas que nos entregou com os postes de madeira e para instalarmos outros de concreto, só será possível no verão se a prefeitura recuperar o ramal para que possamos ter acesso com caminhões. Desta forma, esta é a única maneira de, numa comunidade de difícil acesso, resolvermos o problema de nossos consumidores” – explicou.

Após um dia de muito trabalho, ao chegar ao final da tarde, estava tudo pronto e a energia elétrica do ramal dos Carobas foi restabelecida para a felicidade dos moradores. “Graças a Deus por isso. Todos nós compreendemos o trabalho da equipe que demorou, mas vimos às dificuldades” – disse o aposentado.

Essa é a rotina dos servidores que fazem os reparos necessários na rede de energia da região do Juruá. O responsável pela manutenção da rede disse que muitas vezes a população faz críticas por não conhecer as dificuldades. “Todos os dias nossas equipes estão nos ramais resolvendo problemas como esse. Então, quero que a população entenda que não é por falta de compromisso nosso, nem da empresa que muitas vezes demoramos a resolver os problemas nas comunidades” – explicou Guilherme.


Nenhum comentário: