sexta-feira, 19 de março de 2010

Padre Frederico completa 50 anos de sacerdócio



Um missionário de 76 anos, alemão e de muita fé. Padre Frederico aos 13 anos ouviu um parecer de Deus, um toque e de repente queria ser sacerdote. Enquanto estudava teve que passar por muitos empecilhos, mas em 1960 foi ordenado. Esse ano, que completa seus 50 anos de ordenação, o padre veio visitar o Alto Juruá, lugar onde esteve durante maior parte de seu sacerdócio.


Um missionário de 76 anos, alemão e de muita fé. Padre Frederico aos 13 anos ouviu um parecer de Deus, um toque e de repente queria ser sacerdote. Enquanto estudava teve que passar por muitos empecilhos, mas em 1960 foi ordenado. Esse ano, que completa seus 50 anos de ordenação, o padre veio visitar o Alto Juruá, lugar onde esteve durante maior parte de seu sacerdócio.

“Parte do meu coração pertence ao Alto Juruá” - diz o padre ao falar do tempo em que morava aqui. Dos 50 anos como padre, 38 ele morou na região. Padre Frederico passou por diversas paróquias, começou em Cruzeiro do Sul, depois Mâncio Lima, Feijó, Guajará e de 1992 a 1998 foi chamado para auxiliar na Catedral Nossa Senhora da Glória.

No final de 1998, voltou para a Alemanha porque já havia padres novos na cidade, bispos e cedeu seu lugar na Catedral, partindo para outra missão. Nesse meio tempo na Alemanha, o padre já trabalhou em diversas paróquias, como missionário na sua própria terra.

Sempre, nas férias, o Padre Frederico vem a Cruzeiro do Sul, pois ajuda no sustento de seis creches com mais de 500 crianças. “Essa é a viajem que faço, então apesar de ficar trabalhando, porque passo em todas as creches, reformando, passando em reuniões, dando entrevistas, não é muito de férias não, mas é de bom gosto e Deus me deu essa disposição”.

Segundo o padre, os momentos mais marcantes na sua estada no Alto Juruá eram os momentos difíceis. Padre Frederico chegou a pegar quatro malarias, sendo que uma delas durou quatro anos. ”O que eu posso resumir da minha vida aqui é que tive muitas alegrias e muito sofrimento, mas partilhava a vida com o povo. Os tempos bons e os tempos ruins. Isto fez com que até hoje, entre a minha pessoa e o povo, haja um laço de amizade muito forte”.

Ao lembrar-se da época que chegou a Cruzeiro do Sul, padre Frederico fala de seus amigos, Doutor Braga, Roberto Catedral e Valdemar. “Agente fica sentindo-se como se estivesse voltando 50 anos, lembrando de tudo. Poderia escrever um livro de tanta coisa que aconteceu, mas não tenho tempo e sou um homem da palavra, não sou um homem da escrita”.

O padre que passou 38 anos no Alto Juruá fala como muita coisa mudou e deixa uma mensagem a população. “Quando a pessoa fica mais dona de posses, de bens, facilmente perde a fé profunda e a misericórdia da bondade de Deus. Por isso queria deixar claro de certo jeito, cresça na sua vida, mas não de um jeito desonesto e saiba que o mais importante não é progresso material, o mais importante é uma vida de amor para com próximo. Isto é a única coisa que vale lutar, por esses valores eu prego” – conclui o padre.

Kattiúcia Silveira

Um comentário:

elane disse...

É um previlégio ter um Padre como um Pe. frederico que com muito esforço e dedicação ajudou muitas pessoas em nossa cidade e um exemplo de padre para muitos que sentem o chamado dessa vocação.parabéns e felicidades
Elane, Derval e Bruno sarah