segunda-feira, 31 de maio de 2010

Alunos universitários do Juruá têm primeira experiência em intercâmbio com o Peru



Os alunos do campus da Ufac em Cruzeiro do Sul arrumaram as malas preocupados com a temperatura de 9 a 11 graus prevista para terça-feira, 01, quando alcançarem a cidade de Huánuco, aos pés das Cordilheiras dos Andes. Localizada no Centro Leste do Peru, Huánuco está a 400 quilômetros de Pucallpa, primeira parada da caravana, que partiu de Cruzeiro do Sul na manhã de segunda-feira, 31, com 115 pessoas entre universitários, professores e pessoal de apoio da Ufac e da Aleac, parceiras da iniciativa pioneira que vai selar acordos de intercâmbio entre universidades públicas do Acre e do país andino.


Os alunos do campus da Ufac em Cruzeiro do Sul arrumaram as malas preocupados com a temperatura de 9 a 11 graus prevista para terça-feira, 01, quando alcançarem a cidade de Huánuco, aos pés das Cordilheiras dos Andes. Localizada no Centro Leste do Peru, Huánuco está a 400 quilômetros de Pucallpa, primeira parada da caravana, que partiu de Cruzeiro do Sul na manhã de segunda-feira, 31, com 115 pessoas entre universitários, professores e pessoal de apoio da Ufac e da Aleac, parceiras da iniciativa pioneira que vai selar acordos de intercâmbio entre universidades públicas do Acre e do país andino.

O roteiro de viagem é o mesmo realizado pela I Caravana Político-Empresarial Acre, Huánuco, Ancash organizada pela Aleac em dezembro do ano passado para incluir estas regiões nos acordos bilaterais que foram assinados pelos presidentes Lula e Alan Garcia no Palácio Presidencial do Peru em Lima. Na trajetória, os alunos vão visitar as universidades nacionais de Pucallpa, Tingo Maria, Huánuco e duas da capital peruana, entre as quais a de São Marcos, mais antiga das Américas, com 459 anos.

O presidente da Aleac, deputado Edvaldo Magalhães, lembra que estes acordos de intercâmbio são os primeiros resultados do Encontro Político-Empresarial Acre-Ucayalli, realizado em junho de 2009 em Pucallpa, capital daquele estado da Amazônia peruana a apenas 220 km de Cruzeiro do Sul. “O que era para ser um evento reunindo apenas os dois estados vizinhos, acabou atraindo os governadores de Huánuco e de Ancash, também interessados nas oportunidades de negócios e troca de conhecimentos”, informa Edvaldo.

O intercâmbio entre universidades foi proposto pelo próprio Edvaldo em pronunciamento a autoridades políticas e lideranças empresariais no Colégio de Medicina de Pucallpa. O governador de Ucayalli, Jorge Portocarrero Velásquez, não só abraçou a idéia como se comprometeu em apoiar a abertura de vagas para acreanos na Faculdade de Medicina da Universidade Nacional local.

A promessa resultou em oito vagas para Medicina com as despesas pessoais dos alunos pagas pelo Governo do Acre. Mas, o leque de oportunidades é bem maior. O vice-reitor da Ufac, Pascoal Muniz, informa que os campi de Cruzeiro do Sul e Rio Branco receberão 28 alunos peruanos por ano durante cinco anos.

No sentido inverso, acadêmicos do Vale do Juruá serão destinados para diversos cursos distribuídos nas universidades de Ucayali (UCA), em Pucallpa, Agrária de la Selva, em Tingo Maria, Hermílio Valdizan, em Huánuco, Agrária La Molina e San Marcos, ambas em Lima.

“Quando a Mesa Diretora da Aleac e a unanimidade dos deputados decidiram empreender este processo de integração com o Peru não foi só para aparecer em fotografias. Estes resultados são uma demonstração da força das articulações políticas quando se tem um objetivo compartilhado por todos que é o bem da população do Acre”, esclarece Edvaldo Magalhães.

Para selecionar os acadêmicos que participam da caravana o Diretório Central dos Estudantes realizou diversas reuniões optando por dar espaços a representantes de todos os 11 cursos e de cada um dos períodos. “Quem ficou fora da seleção não está totalmente frustrado, porque mais importante que a viagem, serão as oportunidades de cursos que virão em nossa bagagem”, argumenta o presidente do DCE, Eder Fidelis, do 7º período de Engenharia Florestal e desde já postulante a uma vaga em pós graduação no Peru.

Especialização, cultura e turismo
As vagas até agora protocoladas são para cursos de graduação, pós e pesquisas. Mas também haverá cursos de temporadas variando de três a seis meses. “Uma oportunidade para que os acadêmicos de Língua Espanhola, por exemplo, passem por um período de imersão no idioma”, explica Pascoal.

Acadêmicos acreanos como Ponciano Porfírio estão entusiasmados. Às vésperas de concluir a Faculdade de Ciências Agronômicas da Ufac em Cruzeiro do Sul, ele já vislumbra os cursos de pós-graduação na Universidade Agrária de La Selva, em Tingo Maria, a capital da província de Leôncio Prado no Departamento de Huánuco.
Uma das mais conceituadas nesta área de conhecimento, a Universidade La Selva está localizada em uma alameda nas proximidades do centro da cidade, uma aprazível estância turística onde os rios Huallaga e Monzon se encontram formando um lago com vistas para a montanha da Bela Dormente.

Huánuco, capital do departamento de mesmo nome, vai reservar vagas para os acreanos na Universidade HermílioValdizán. A cidade, de 80 mil habitantes, foi fundada em 1539 na divisão entre as serras da Amazônia e a Cordilheira dos Andes o que lhe garante temperatura média de 15 graus durante o ano inteiro. A Hermílio Valdizan oferece toda a gama de faculdades de uma grande universidade e vários cursos de pós-graduação.

As universidades Agrária La Molina e a Mayor de San Marcos, em Lima, são seculares. A primeira, planejada por uma missão belga, foi fundada em 1902. San Marcos foi fundada pelo rei Carlos I, da Espanha, em 12 de maio de 1551. É o maior centro de formação e pesquisas do Peru.

Mas, para quem prefere ficar por perto de suas famílias e de seu clima, Pucallpa é uma cidade onde os acreanos se sentem em casa. A UCA oferece cursos em todas as áreas do conhecimento, alguns inexistentes na UFAC, como Odontologia. A capital de Ucayali está a apenas 1 hora de vôo em bimotor, ou 22 minutos de Boeing a partir de Cruzeiro do Sul.

Agência Aleac

Nenhum comentário: