terça-feira, 18 de maio de 2010

CREAS organiza "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual em Cruzeiro do Sul"


O Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS ), unidade vinculada a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Cruzeiro do Sul realizará a "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes" durante os dias 17 e 21 de maio com o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre formas de prevenção e, também, como detectar sinais de abuso e exploração contra crianças e adolescentes.


O Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS ), unidade vinculada a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Cruzeiro do Sul realizará a "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes" durante os dias 17 e 21 de maio com o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre formas de prevenção e, também, como detectar sinais de abuso e exploração contra crianças e adolescentes.

Na programação constam palestras da equipe de profissionais do Creas e da rede de atendimento nas escolas municipais, estaduais e um colégio particular, bem como abordagens de ruas nos principais pontos da cidade. Durante as visitas os profissionais farão este trabalho de conscientização, pois a campanha é voltada principalmente para informar a população sobre o problema.

Segundo informação do coordenador do Creas, Leônidas Fontes e da Psicóloga Cíntia Sampaio, a programação inicia hoje (17), com um plantão de uma equipe no coreto da praça no Centro Cultural, para dar esclarecimentos sobre o assunto e receber denúncias. O coordenador ressalta que a população de Cruzeiro do Sul tem pouca informação sobre o assunto e que existem muitos casos de abuso e exploração, mas poucos são denunciados.

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi marcado no dia 18, data em que no mês de maio de 1973, a estudante Araceli Cabrera Crespo, de oito anos, desapareceu da escola onde estudava para nunca mais ser vista com vida. A menina foi estupidamente martirizada. Araceli foi espancada, estuprada, drogada e morta numa orgia de drogas e sexo. Seu corpo, o rosto principalmente, foi desfigurado com ácido. Seis dias depois do massacre, o corpo foi encontrado num terreno baldio, próximo ao centro da cidade de Vitória, Espírito Santo. Seu martírio significou tanto que esta data se transformou no "Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes".

“ A intenção é destacar a data para mobilizar e convocar toda a sociedade à participar dessa luta de prevenção e combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, pois ninguém está livre de ser atingido por essa situação. Apesar da natureza hedionda, o crime contra Araceli prescreveu e ficou impune. É preciso formar uma consciência nacional para denunciar e romper com esse ciclo de violência e proteger meninas, meninos e adolescentes brasileiros”, destacou Leônidas.

O Creas está em atividade desde 2005 e tem como papel primordial prestar atendimento de forma especializada e continuada a indivíduos e famílias com direitos violados como, por exemplo, violência física, psicológica e negligência; violência sexual: abuso e/ou exploração sexual; afastamento do convívio familiar devido à aplicação de medida socioeducativa ou medida de proteção; tráfico de pessoas; situação de rua e mendicância; abandono; vivência de trabalho infantil; discriminação em decorrência da orientação sexual e/ou raça/etnia; e outras formas de violação de direitos decorrentes de discriminações/submissões a situações que provocam danos e agravos a sua condição de vida e os impedem de usufruir autonomia e bem estar.

Mais informações sobre o trabalho desenvolvido pelo Creas ou denúncias de supostos casos de violência, exploração ou abuso sexual em crianças e adolescentes podem ser feitas diretamente na unidade que fica na Rua de Alagoas, 141, bairro da Escola Técnica, ou pelo telefone (68) 3322-8739.E-mail: creasczs@hotmail.com.

Leônidas informa que existe o serviço do DISQUE 100 e qualquer pessoa pode fazer a denúncia neste número, mesmo que de forma anônima, e serão tomadas as providências necessárias. Também poderão fazer denúncias para os nossos parceiros: Ministério Público 3322-3122, Juizado da Infância e Adolescência 3322-8562, Conselho Tutelar 3322-3737, Delegacia da Mulher e da Criança e adolescente 3311-1300, Polícia Militar 190.

Nenhum comentário: