quinta-feira, 17 de junho de 2010

Prefeito do PMDB diz que apóia Dilma e Tião


O prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha (PMDB), afirmou nesta quinta-feira, 17, que vai seguir a orientação nacional do partido e apoiar Dilma Rousseff (PT) para a presidência da república. Defendendo a continuidade do projeto da Frente Popular do Acre, ele manifestou apoio a Tião Viana (PT) para o Governo e disse que as candidaturas da oposição representam “um tiro no escuro”.



Cleidson Rocha, prefeito de Mâncio Lima, afirma que projeto da FPA é o melhor para o Acre e que apoiar oposição é um como dar “tiro no escuro”

O prefeito de Mâncio Lima, Cleidson Rocha (PMDB), afirmou nesta quinta-feira, 17, que vai seguir a orientação nacional do partido e apoiar Dilma Rousseff (PT) para a presidência da república. Defendendo a continuidade do projeto da Frente Popular do Acre, ele manifestou apoio a Tião Viana (PT) para o Governo e disse que as candidaturas da oposição representam “um tiro no escuro”.

“Temos em Mâncio Lima, desde 2008, uma aliança com o PC do B e com o PT, que nos garante uma maior proximidade com o Governo do Estado. Também temos uma construção nacional, que entendemos ser o melhor para o Brasil. Portanto, vamos caminhar juntos com Dilma para a presidência da república e com toda Frente Popular aqui no Acre”, disse.

Cleidson Rocha revelou que o projeto da FPA, executado no Acre desde 1999, é o melhor para o Estado no momento. Ele também lembrou que não tem conhecimento dos projetos da oposição e não se sente seguro para apoiar os nomes que foram apresentados para disputa.

“Esse não é um gesto oportuno. Não estou afirmando que vou apoiar um projeto em troca de algo para o nosso município, mas quem tem uma política mais ética, de valorização do interior e que foca de modo especial o desenvolvimento do Acre como um todo”, destacou.

Para Cleidson Rocha o PMDB teria legitimidade para apresentar um candidato ao Governo do Estado, mas como não conseguiu aliar mais partidos e fortalecer suas bases para a disputa, a decisão de não apresentar um nome para a chapa majoritária foi a melhor para o momento.

Ele ressaltou que defendia uma candidatura própria desde que o PMDB conseguisse unir forças com outros partidos, apresentando um projeto de desenvolvimento para o Acre que fosse de encontro às necessidades da população.

“Eu acompanhei e ajudei no lançamento da pré-candidatura do Rodrigo Pinto, porque defendo o crescimento do nosso partido. Mas, em minha opinião precisávamos apresentar um projeto bom para o Acre e estarmos preparados para convencer pela força de argumentos e das propostas”, explicou.

Ele fez questão ainda de manifestar apoio a Jorge Viana e Edvaldo Magalhães, afirmando que o cenário que os dois serão peças importantes para que o Acre continue no caminho do desenvolvimento.


Nenhum comentário: