quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Análise da diversidade de Peixes com subsídio a gestão dos recursos pesqueiros do Juruá


Um seminário reuniu representantes de comunidades rurais da região, no auditório da Escola Francisco Braga, em Rodrigues Alves, na manhã de sexta-feira (13), para apresentar o resultado da pesquisa realizada pela Universidade Federal do Acre (Ufac) que analisou a diversidade de peixes com subsídio a gestão dos recursos pesqueiros do Juruá.
Seminário debate gestão dos recursos pesqueiros do Juruá e resultado de pesquisa
Governo investe na limpeza de rios e lagos na região


O professor e pesquisador da Ufac, Lisandro Juno, responsável pela pesquisa financiada com recursos do Senado e contrapartida do Governo do Estado, mostrou as lideranças rurais a necessidade da preservação das matas ciliares de lagos e rios que podem ser fator de desequilíbrio do meio-ambiente.
“ O projeto estuda a densidade de peixe nos lagos com finalidade de auxiliar no processo de gestão dos recursos pesqueiros na região. É uma demanda que a comunidade que usa os recursos pesqueiros tem pois a medida que o tempo vai passando está diminuindo a quantidade de peixes. Estudamos a possibilidade de gerar subsídios para o manejo da pesca na região”,
Segundo o pesquisador o projeto estuda ações para apontar o que será necessário para ajudar a resolver o problema da diminuição da quantidade de peixes nos rios e lagos, como o controle, educação ambiental e ainda a participação da comunidade usuária que necessita colaborar na solução do problema.
Juno destacou que os estudos feitos em 5 lagos entre Cruzeiro do Sul e Rodrigues Alves teve o apoio da comunidade e a avaliação comprovou que a diversidade de peixes nos lagos estudados não é muito alta e relativamente baixa se comparado com lagos como o Amapá, em Rio Branco.
“ Um dos objetivos do projeto era o envolvimento da comunidade para que eles não tivessem apenas os resultados, mas participassem da pesquisa. Ainda não temos as causas da diminuição da quantidade de peixe, podendo ser o desmatamento, efeitos de pesca predatória ou mudança do clima. É necessário alguns estudos para se identificar a origem do problema”, afirmou.

O superintendente do Ministério da Pesca no Acre, Samir Pinheiro, participou do seminário e destacou a realização da pesquisa enfatizando que não se pode conseguir resultados satisfatórios sem a pesquisa.
“ Este é um trabalho importante que mostra a preocupação do governo com a diminuição do peixe nos rios e lagos da região. A pesquisa mostra de forma clara que é preciso fazer uma política formulada para aumentar o pescado nos rios e lagos porque não pode existir pescador sem ter pescado. Mas, o trabalho já mostra resultados satisfatórios com o aumento do peixe nos lugares onde foi realizada a limpeza dos lagos. Com apoio da Embrapa, CNPq, Ufac e o Departamento de Pesquisa do Ministério da Pesca estamos empenhados em realizar estudos para solucionar estes problemas. O setor pesqueiro é o que mais cresce no país e precisamos baratear o preço do pescado na região, que é um dos mais caros do país. A implantação da Superintendência no Estado tem sido muito importante para o apoio aos pescadores”, disse.

Mamede Dankar, Chefe do Departamento de Regionais da Secretaria de Estado (SEAP), participou do seminário e destacou a iniciativa da desobstrução e limpeza de lagos da região do Juruá, realizado através de convênio com o Ministério da Pesca e apoio do Governo do Estado.
“ A Seap acompanha desde a elaboração do projeto até a execução do trabalho que está tendo resultados muito satisfatórios com o aumento da quantidade de peixes nos lagos, além de ter identificado mais 6 espécies que não estavam catalogadas, sendo um resultado fantástico do ponto de vista técnico. A limpeza dos lagos do Sacado da Nova Cintra, Grande e Tatajuba foram concluídas. Estamos iniciando a limpeza dos rios Timbaúba, Azul e Môa, em Mancio Lima e paralelamente realizando pesquisas. Hoje, o pesquisador está mostrando o resultado do trabalho para os pescadores e orientando a população ribeirinha para ter mais cuidados com a natureza e fazer o manejo para que não se corra o risco de ver as espécies desaparecer dos rios”, disse.

A presidente da Associação de Mulheres da Nova Cintra (Amuralha), Leide Ramos da Costa, comemorou o resultado da desobstrução dos rios e lagos da região, realizada pelo Governo do Estado, que aumentou de forma significativa a quantidade de peixes, melhorando o abastecimento dos ribeirinhos que estavam tendo dificuldade de pescar pela escassez de peixe. “ Agora temos muito peixe no lago da Nova Cintra e estamos abastecendo até as comunidades vizinhas. O que é difícil lá é carne de boi, peixe temos para garantir a necessidade da população e agradecemos os órgãos que estão desenvolvendo este trabalho”, disse.

O prefeito Burica destacou a importância do trabalho desenvolvido pela Superintendência do Ministério da Pesca, com apoio da Ufac e do Governo do Estado, que está aumentando o número de peixes nos rios e lagos da região.
“ Só tenho a agradecer o apoio do Ministério da Pesca que está investindo recursos para melhorar a condição de vida da população ribeirinha. Este projeto de desobstrução dos rios já deu resultados muito positivos, aumentando a quantidade de peixes nos lagos que receberam a limpeza e estavam cerrados por vegetais que prejudicavam a sobrevivência do peixe. Estou propondo que o Ministério da Pesca possa investir também na criação de peixe em tanques nos projetos de assentamento. Claro que queremos projetos bem elaborados para que não venha prejudicar o meio ambiente”, disse.
A respeito do projeto que coloca o peixe no cardápio na merenda escolar o prefeito disse que os recursos ainda são insuficientes porque o preço do pescado é muito caro na região, sendo necessário uma complementação de recursos para ter condições de colocar peixe na alimentação da merenda escolar.

Nenhum comentário: