sábado, 1 de maio de 2010

Prefeitura de Rodrigues Alves distribui fardamento e computadores para escolas da zona rural


Os alunos da Escola Santa Clara da comunidade Nova Cintra foram os primeiros a receber o fardamento que a Prefeitura de Rodrigues Alves mandou confeccionar para distribuir nas escolas da zona rural do município. Nesta quinta-feira, 29, pela manhã, o secretário municipal de educação, Ernilson Freitas, iniciou a entrega das fardas. O município também está equipando 15 unidades de ensino da zona rural com laboratórios de informática providos de internet banda larga.



Os alunos da Escola Santa Clara da comunidade Nova Cintra foram os primeiros a receber o fardamento que a Prefeitura de Rodrigues Alves mandou confeccionar para distribuir nas escolas da zona rural do município. Nesta quinta-feira, 29, pela manhã, o secretário municipal de educação, Ernilson Freitas, iniciou a entrega das fardas. O município também está equipando 15 unidades de ensino da zona rural com laboratórios de informática providos de internet banda larga.

Na escola Santa Clara, 120 alunos foram contemplados com o fardamento que foi entregue pelo secretário Ernilson Freitas. As crianças receberam o material com muita satisfação. Segundo o diretor da unidade de ensino, Antônio Lima de Souza, o material vai fazer com que todos os alunos se sintam iguais e deixá-los mais motivados para ir à escola.

"Muitos vinham com roupas não tão novas como os outros e a gente percebia que tinham uma certa vergonha. Agora não, todos estarão uniformizados do mesmo jeito e tenho certeza que estarão mais às disposição para os estudos. Vamos pedir que venham sempre de farda, até porque, já temos o projeto de executar os hinos nacional, municipal e estadual e hastear os pavilhões duas vezes por semana e para isso é melhor que estejam todos uniformizados" - disse o diretor.

O secretário garantiu que nessa primeira etapa, cerca de 3 mil alunos receberão o fardamento e o objetivo da prefeitura é atender também os alunos da zona urbana. "O objetivo do prefeito Burica é dá as mesmas condições de ensino para os alunos de todas as comunidades e para isso já estamos providenciando a compra de nova remessa para atender as escolas da zona rural e posteriormente, a intenção e beneficiar novamente os da zona urbana que foram contemplados com fardamento no ano passado" - ressaltou Ernilson.

A escola Santa Clara também foi contemplada com computares para melhorar o desenvolvimento das atividades educacionais. De acordo com o secretário, a prefeitura tem um projeto de informatizar 15 unidades de ensino do município, inclusive com instalação do internet com o sistema banda larga. Através de um programa do Ministério da Educação que é executado pelo município, cada uma das 15 escolas irá receber 10 computadores e todo sistema de provedor da internet.

DA REDAÇAO

Coordenador Nacional do MORHAN visita Cruzeiro do Sul para discutir sobre indenização filhos de hansenianos


O Coordenador nacional do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase – MORHAN, reuniu –se nesta quarta-feira, (28), com os filhos que foram separados do convívio de seus pais, em função da política de isolamento compulsório para pessoas com hanseníase nas décadas passadas. No encontro foram feitos os formulários de coleta com os dados dos filhos que irão receber indenizações.

O Coordenador nacional do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase – MORHAN, reuniu –se nesta quarta-feira, (28), com os filhos que foram separados do convívio de seus pais, em função da política de isolamento compulsório para pessoas com hanseníase nas décadas passadas. No encontro foram feitos os formulários de coleta com os dados dos filhos que irão receber indenizações.

São mais de 2.200 cadastros já feitos no Brasil. Em Cruzeiro do Sul mais de 300 pessoas foram separadas de seus pais em função da política de isolamento compulsório. Eduardo Ferreira da Silva falou sobre a separação que sofreu ainda pequeno. “Eu fui levado para o Educandário sem saber que tinha pai nem mãe. Fui levado para Rio Branco, hoje moro com o Flaviano Schneider que é meu responsável, mas eu nunca tive casa pra morar. Isso dói muito.” -disse o rapaz que teve os pais acometidos pela doença.

Francisco Soriano também foi separado de seus pais, por razão da hanseníase e só depois de muitos anos teve a oportunidade de ver a mãe. “Eu conheci a minha mãe com 11 anos, quando eu a vi perguntei se era a minha mãe. Foi um encontro emocionante. Agora mantenho contato com ela sempre. Quando ela receber a indenização do MORHAN eu vou fazer uma casa de alvenaria para ela”.

O Coordenador Nacional do MORHAN, Artur Custódio, explicou que vinda a Cruzeiro do Sul foi com "o objetivo de discutir e informar a essas pessoas que foram separadas e isoladas de seus pais, sobre a indenização que elas têm direito. Nós estamos fazendo um cadastro nacional porque elas têm direito também a um apoio” - ressaltou.

A causa conta com o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil-OAB e uma série de autoridades. “Isso é uma forma de reconhecimento a essas pessoas que foram criadas longe da suas famílias” – conclui o coordenador.

Kattiúcia Silveira