terça-feira, 18 de maio de 2010

Órgãos de defesa ambiental preparam programação para a Semana do Meio Ambiente


Durante a manhã desta terça-feira, 18, estiveram reunidos no auditório do Ministério Público, em Cruzeiro do Sul, representantes de instituições relacionadas as questões ambientais para discutir a programação que será realizada na Semana do Meio Ambiente que vai de 31 de maio ao dia 5 de junho, que é instituído como Dia Mundial do Meio Ambiente.


Durante a manhã desta terça-feira, 18, estiveram reunidos no auditório do Ministério Público, em Cruzeiro do Sul, representantes de instituições relacionadas as questões ambientais para discutir a programação que será realizada na Semana do Meio Ambiente que vai de 31 de maio ao dia 5 de junho, que é instituído como Dia Mundial do Meio Ambiente.

Além do Ministério Público, vão participar de uma campanha educativa sobre o tema, as secretarias de meio ambiente de Cruzeiro do Sul, de Rodrigues Alves e de Mâncio Lima, o IMAC, o IBAMA, a Associação dos Amigos das Águas do Juruá e outras entidades envolvidos na temática.

Durante a reunião foi definido que serão desenvolvidas palestras, caminhadas ecológicas e outros eventos envolvendo as escolas e as universidades.
A programação terá início com uma caminhada ecológica no dia 31 de maio e segue durante a semana com outras atividades.

“Será uma campanha bastante intensa nessa Semana do Meio Ambiente. Começa com a caminhada e se encerra no dia 5 de junho com a distribuição de sacolas retornáveis no Mercado do Cais. Isso para conscientizar a população a evitar o consumo de sacolas plásticas que poluem o nosso rio” – explicou o promotor do Meio Ambiente, Leonardo Honorato.

De acordo com o promotor, as empresas de comunicação terão um papel fundamental na campanha e o objetivo é envolver toda sociedade dos três municípios. “Os meios de comunicação irão contribuir dando espaço para que as escolas possam fazer mensagens educativas para o esclarecimento da população” – afirmou.


CREAS organiza "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual em Cruzeiro do Sul"


O Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS ), unidade vinculada a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Cruzeiro do Sul realizará a "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes" durante os dias 17 e 21 de maio com o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre formas de prevenção e, também, como detectar sinais de abuso e exploração contra crianças e adolescentes.


O Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS ), unidade vinculada a Secretaria de Assistência Social da Prefeitura de Cruzeiro do Sul realizará a "Semana de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes" durante os dias 17 e 21 de maio com o objetivo de conscientizar e alertar a população sobre formas de prevenção e, também, como detectar sinais de abuso e exploração contra crianças e adolescentes.

Na programação constam palestras da equipe de profissionais do Creas e da rede de atendimento nas escolas municipais, estaduais e um colégio particular, bem como abordagens de ruas nos principais pontos da cidade. Durante as visitas os profissionais farão este trabalho de conscientização, pois a campanha é voltada principalmente para informar a população sobre o problema.

Segundo informação do coordenador do Creas, Leônidas Fontes e da Psicóloga Cíntia Sampaio, a programação inicia hoje (17), com um plantão de uma equipe no coreto da praça no Centro Cultural, para dar esclarecimentos sobre o assunto e receber denúncias. O coordenador ressalta que a população de Cruzeiro do Sul tem pouca informação sobre o assunto e que existem muitos casos de abuso e exploração, mas poucos são denunciados.

O Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi marcado no dia 18, data em que no mês de maio de 1973, a estudante Araceli Cabrera Crespo, de oito anos, desapareceu da escola onde estudava para nunca mais ser vista com vida. A menina foi estupidamente martirizada. Araceli foi espancada, estuprada, drogada e morta numa orgia de drogas e sexo. Seu corpo, o rosto principalmente, foi desfigurado com ácido. Seis dias depois do massacre, o corpo foi encontrado num terreno baldio, próximo ao centro da cidade de Vitória, Espírito Santo. Seu martírio significou tanto que esta data se transformou no "Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes".

“ A intenção é destacar a data para mobilizar e convocar toda a sociedade à participar dessa luta de prevenção e combate à violência sexual contra crianças e adolescentes, pois ninguém está livre de ser atingido por essa situação. Apesar da natureza hedionda, o crime contra Araceli prescreveu e ficou impune. É preciso formar uma consciência nacional para denunciar e romper com esse ciclo de violência e proteger meninas, meninos e adolescentes brasileiros”, destacou Leônidas.

O Creas está em atividade desde 2005 e tem como papel primordial prestar atendimento de forma especializada e continuada a indivíduos e famílias com direitos violados como, por exemplo, violência física, psicológica e negligência; violência sexual: abuso e/ou exploração sexual; afastamento do convívio familiar devido à aplicação de medida socioeducativa ou medida de proteção; tráfico de pessoas; situação de rua e mendicância; abandono; vivência de trabalho infantil; discriminação em decorrência da orientação sexual e/ou raça/etnia; e outras formas de violação de direitos decorrentes de discriminações/submissões a situações que provocam danos e agravos a sua condição de vida e os impedem de usufruir autonomia e bem estar.

Mais informações sobre o trabalho desenvolvido pelo Creas ou denúncias de supostos casos de violência, exploração ou abuso sexual em crianças e adolescentes podem ser feitas diretamente na unidade que fica na Rua de Alagoas, 141, bairro da Escola Técnica, ou pelo telefone (68) 3322-8739.E-mail: creasczs@hotmail.com.

Leônidas informa que existe o serviço do DISQUE 100 e qualquer pessoa pode fazer a denúncia neste número, mesmo que de forma anônima, e serão tomadas as providências necessárias. Também poderão fazer denúncias para os nossos parceiros: Ministério Público 3322-3122, Juizado da Infância e Adolescência 3322-8562, Conselho Tutelar 3322-3737, Delegacia da Mulher e da Criança e adolescente 3311-1300, Polícia Militar 190.

Entrevista: Deputado federal Henrique Afonso


O deputado federal Henrique Afonso (PV/AC), concedeu entrevista a imprensa no mês de fevereiro, afirmando que se não fosse candidato ao Senado não iria lançar outra candidatura. Mas, ele não contava com a reação de simpatizantes que não consideram sobre nenhuma hipótese sua saída da política.


O deputado federal Henrique Afonso (PV/AC), concedeu entrevista a imprensa no mês de fevereiro, afirmando que se não fosse candidato ao Senado não iria lançar outra candidatura. Mas, ele não contava com a reação de simpatizantes que não consideram sobre nenhuma hipótese sua saída da política.

Afonso é um dos deputados federais mais atuantes, norteou seu mandato para a defesa da vida, dos menos favorecidos e da educação da juventude. A implantação do Ceflora e a ampliação do Campus da Ufac, em Cruzeiro do Sul, por exemplo, são marcas do empenho do deputado.

E agora deputado Henrique Afonso, qual sua posição hoje?

Henrique Afonso - Agradeço muito as manifestações vindas de todo o estado de apoio à minha pré-candidatura ao Senado. O incentivo de populares, militantes de diversos partidos, de vários segmentos de movimentos sociais e igrejas é que me motivaram a colocar meu nome à disposição. Entretanto , o fórum de decisão sobre a candidatura é o colegiado dos partidos que compõem a Frente Popular do Acre - FPA.

O meu nome não tinha apoio da maioria, ao contrário do deputado Edvaldo Magalhães, nome escolhido e que tem nosso respeito. Eu havia conversado com minha família e a posição era aquela da entrevista. Quando eu e dirigentes do PV anunciamos a retirada do meu nome do debate do Senado, o Governador Binho, o Senador Tião Viana, o Ex-Governador Jorge Viana e outras lideranças da FPA insistiram para que eu permanecesse no cenário político e continuasse a qualificar a representação do Acre no Congresso. Avaliei com minha família, com apoiadores, assessores, e concluímos que precisamos continuar a trabalhar pelo Juruá, pelo Acre como um todo.



O senhor é conhecido como um dos parlamentares que mais trabalhou pelo Juruá. Teve iniciativa de articular projetos importantes como a Universidade da Floresta, Ceflora, CAPS, além de apoio em áreas diversas às prefeituras, Governo do Estado, aos trabalhadores rurais. Pesou na sua decisão o risco de não continuação destes projetos?

Henrique Afonso - Depois da declaração que dei que não iria me candidatar se não vingasse a pré-candidatura ao Senado, fui "bombardeado", no bom sentido, por diversos segmentos da educação, da saúde, trabalhadores rurais, lideranças cristãs, que expuseram a importância da continuação do nosso trabalho para conquistar mais ainda melho rias e recursos, principalmente para o Juruá, porque cada ano aloco em torno de 70 a 80% das minhas emendas ao
Orçamento Geral da União - OGU para os municípios desta região.

Tem também a luta que estamos encampando pela autonomia do Campus Ufac/Floresta, a campanha e os projetos em defesa da vida e da família, tudo isto poderia ser comprometido por mais que outros parlamentares pudessem "apadrinhar" tais projetos. Mas, certamente a gente que planta a semente é que se preo cupa mais em regá-la. Como sou um homem público, tenho que ceder à vontade popular.

Uma das marcas de sua trajetória política e de suas campanhas é a desvincu- lação com poder econômico, muitas vezes decisivo na vitória de alguns candidatos. Isto não pode comprometer sua releeição?

Henque Afonso - Primeiro, eu só estarei candidato de fato e oficialmente a partir de julho. Até lá estou pré-candidato à reeleição. Depois, os apoiadores e os eleitores me fizeram assumir dois mandatos de deputado federal por acreditarem na minha capacidade de trabalho e meu compromisso com as pessoas mais desprovidas, mais excluídas, principalmente do Juruá. Vim de uma família humilde e assim caminhei na política.

Mesmo que este ano seja de uma concorrência forte com pré-candidatos em situação mais favorável do ponto de vista financeiro, vou oferecer de novo minha disposição de trabalho. Quem vai decidir se é importante eu retornar ao Congresso são os eleitores. Eles é que vão avaliar meu trabalho e decidir.

Com quem o senhor vai caminhar para a presidência do Brasil, sendo que o PV faz parte da FPA, cujos partidos vão apoiar a pré-candidata do PT, Dilma Roussef?



Henrique Afonso
- O PV foi o primeiro partido que se juntou ao PT para fundar a FPA. Tem contribuído com todos os mandatos da FPA no Governo do Acre. A Senadora Marina Silva foi umas das lideranças que mais ajudou a construir este projeto. Eu milito na FPA desde o início da minha carreira política.

O projeto é maior do que as pessoas que o integram. Apoiaremos a chapa majoritária da FPA porque temos responsabilidade com a continuação deste projeto que vem dando certo. Entretanto, o PV tem pré-candidatura própria à Presidência com a Senadora Marina Silva porque entendemos que é possível avançarmos mais nas políticas públicas e aumentar a inclusão social, econômica, cultural.

Os mandatos do Governo Lula não vêm acompanhando a necessidade mundial de inserir com mais seriedade e responsabilidade o componente ambiental nas políticas públicas. É um orgulho para os acreanos termos uma pré-candidata com "ficha limpa", isto é, uma pessoa pública que prima pela ética, pela responsabilidade social e ambiental na aplicação das políticas. A sua pré candidatura qualifica e democratiza mais a disputa, renova nossas esperanças de mudanças.



Médicos do Exercito realizam atendimento em comunidade rural de Rodrigues Alves em parceria com a prefeitura


Uma equipe composta por médicos, dentistas, enfermeiros e outros profissionais em saúde esteve durante uma semana realizando atendimentos aos produtores das rurais das comunidades localizadas ao longo do Ramal do Paraná dos Mouras. A equipe montou um ponto na comunidade São Jerônimo onde milhares de pessoas comparecerem em busca de uma consulta. Para levar o atendimento às comunidades, se fez necessária uma parceira entre Prefeitura de Rodrigues Alves e o 61º Batalhão de Infantaria de Selva que disponibilizou os profissionais em saúde para realizar a ação social.



Uma equipe composta por médicos, dentistas, enfermeiros e outros profissionais em saúde esteve durante uma semana realizando atendimentos aos produtores das rurais das comunidades localizadas ao longo do Ramal do Paraná dos Mouras. A equipe montou um ponto na comunidade São Jerônimo onde milhares de pessoas comparecerem em busca de uma consulta. Para levar o atendimento às comunidades, se fez necessária uma parceira entre Prefeitura de Rodrigues Alves e o 61º Batalhão de Infantaria de Selva que disponibilizou os profissionais em saúde para realizar a ação social.

Além de consultas, foram realizados alguns exames e todos os pacientes que precisaram, receberam o medicamento para realizar o tratamento. No local foi montada uma farmácia para atender as necessidades da população. A equipe permaneceu na comunidade no período de 10 a 14 de maio e avaliou a saúde da maior parte dos moradores.

Um dos pacientes foi à dona de casa Maria Amélia que há muito tempo sentia a necessidade de visitar o médico, mas, pela distância que mora da cidade e por falta de recursos, sofria com problemas de saúde. “É muito bom termos o atendimento na própria comunidade porque para conseguirmos uma consulta lá fora temos que passar dias fora de casa e ainda por cima temos muita despesa. Agora, graças a Deus que fui consultada e já recebi o medicamento” – disse.

A médica Natália Martinelle fez parte do quadro de profissionais em saúde que realizou a atividade que social do Exército. Para Natália foi uma satisfação muito grande em poder prestar seus serviços à população mais necessitada. “Percebemos que a população aqui precisa de muita atenção nesse setor e é muito gratificante puder contribuir para minimizar os problemas de saúde. Aqui encontramos problemas como gastrite, lombalgia e verminose” – disse a médica.

Na tarde de quinta-feira, 13, o prefeito Burica acompanhou o trabalho da equipe na Comunidade São Jerônimo. “É importante esse apoio que recebemos do Exército porque uma prefeitura como a nossa que recebe poucos recursos para a demanda de serviços, precisa realmente de apoio de outras instituições para garantir uma assistência à saúde básica da população de forma mais adequada” – afirmou o prefeito.


Mazinho Rogerio - www.vozdonorte.com

Prefeitura de Cruzeiro do Sul treina professores da zona rural em informática



O treinamento será feito por etapas. Uma equipe da Secretaria Municipal de Educação se desloca até as comunidades rurais, capacitando os professores para que eles possam utilizar o laboratório de informática da escola, como ferramenta didática.


O treinamento será feito por etapas. Uma equipe da Secretaria Municipal de Educação se desloca até as comunidades rurais, capacitando os professores para que eles possam utilizar o laboratório de informática da escola, como ferramenta didática.

Segundo o secretário de educação de Cruzeiro do Sul, Ivo Galvão, durante o ano de 2009, o trabalho esteve voltado para implantação dos laboratórios de informática nas escolas rurais e melhorias na infra-estrutura, para que estes laboratórios entrassem em funcionamento. Para isso, a Prefeitura efetuou a compra de motores e geradores de energia, de baterias para placas solares, além de outras providencias.

Neste final de semana, três escolas localizadas em áreas ribeirinhas, receberão a equipe para capacitar os professores. A partir do curso, os professores estarão aptos a ensinar os alunos como utilizar o computador, usando os programas disponibilizados pelo Ministério da Educação, que dispõe de todos os conteúdos do 1º ao 9º ano.

Segundo o secretário, Ivo Galvão, o primeiro passo é ensinar o professor a manusear a máquina e depois trabalhar os programas em português, matemática, história e geografia. “É importante dizer que são escolas distantes da cidade. Nós e o prefeito Vagner Sales, queremos esses alunos manuseando essas ferramentas, se um dia eles vierem para a cidade ou para outra escola, não terão dificuldades. Nós queremos trabalhar a educação rural igual à educação urbana”, enfatiza Ivo Galvão.

A prefeitura de Cruzeiro do Sul em parceria com o MEC, já implantou laboratórios de informática em 15 escolas da zona rural do município. Cada laboratório recebe cinco computadores, mas através de documentos, a Secretaria Municipal de Educação tenta convencer o Ministério, de que as escolas com uma demanda maior de alunos precisam de mais computadores, a resposta está sendo aguardada.

Moradores do Bairro da Várzea fecham rua em manifestação


Na manhã desta segunda-feira, (17), moradores do bairro da Várzea reuniram-se em uma manifestação em frente à escola Maria Lima para que o governo asfalte mais 125 metros além do que foi prometido na reinauguração da escola.


Na manhã desta segunda-feira, (17), moradores do bairro da Várzea reuniram-se em uma manifestação em frente à escola Maria Lima para que o governo asfalte mais 125 metros além do que foi prometido na reinauguração da escola.

Os moradores do bairro da Várzea, liderados pelo presidente do bairro, Marivaldo Valente, fecharam a rua impossibilitando a passagem de veículos. A reivindicação é que a rua toda seja asfaltada, não apenas na frente da escola como foi garantido pelo governador Binho Marques no início deste mês, no dia em que a Escola Maria Lima de Souza foi reinaugurada.

De acordo com Marivaldo, a manifestação aconteceu para que houvesse uma negociação com o governo. “Nós fechamos aqui a rua para que haja uma negociação com o governo sobre o asfaltamento da rua. Nós estamos pedindo mais 125 metros de asfalto para que possa beneficiar a nossa comunidade, especialmente as crianças que no inverno chegam com os sapatos sujos na escola por causa do barro”.

A Polícia Militar foi acionada para controlar a manifestação. “Nós viemos aqui para conversar com o pessoal da comunidade, falamos que eles devem procurar o representante do DERACRE, do governo, porque fechar a rua fere o direito de ir e vir das pessoas, mas através de um diálogo sadio eles entenderam e vão resolver com os representantes” – afirmou o Tenente Coronel Ayres da Polícia Militar.

Ainda de acordo com o presidente do bairro eles terão um encontro com os representantes do governo. “Nós fomos chamados para conversar com o representante do governo, lá no DERACRE, caso a negociação seja viável para a comunidade nós vamos liberar a rua se não nós vamos fechar a rua novamente” – conclui.
Kattiúcia Silveira