domingo, 19 de setembro de 2010

PROJETO PEQUENO SOCORRISTA: EDUCAÇÃO EM SAÚDE, CIVISMO E COMBATE A VIOLÊNCIA


No dia 16 de setembro (quinta-feira) estudantes da 5o. série do ensino fundamental da Escola São José participaram de uma atividade educativa na Universidade Federal do Acre – Campus Floresta de Cruzeiro do Sul, onde visitaram a biblioteca da instituição e os laboratórios de prática de anatomia humana e fundamentos de enfermagem.
No dia 16 de setembro (quinta-feira) estudantes da 5o. série do ensino fundamental da Escola São José participaram de uma atividade educativa na Universidade Federal do Acre – Campus Floresta de Cruzeiro do Sul, onde visitaram a biblioteca da instituição e os laboratórios de prática de anatomia humana e fundamentos de enfermagem. Em seguida os jovens estudantes realizaram uma apresentação de primeiros socorros em parada cardiorrespiratória para acadêmicos do curso de bacharelado em enfermagem.
A atividade realizada foi promovida pelo projeto de extensão universitária “pequeno socorrista” que tem por objetivo levar informações sobre cuidados com a saúde humana, importância dos serviços públicos essenciais, valorização do ensino e noções de civismo para crianças da rede básica de ensino. O projeto é coordenado pelo Professor do curso de enfermagem Marcelo Siqueira, onde segundo o mesmo “iniciativas como esta fazem parte do papel da Universidade como objeto de transformação positiva da sociedade.” Tal afirmativa se deve ao fato das universidades brasileiras trabalharem com o tripé: ensino, pesquisa e extensão, caminhos necessários para a formação de uma sociedade crítica, reflexiva e sustentável.

Segundo o Prof. Marcelo Siqueira “tal iniciativa é a prova de que podemos combater as diversas formas de violência com medidas educativas, basta observar o lema do projeto que prega que quem aprende a salvar não vai querer matar”. Ainda segundo Siqueira “Todos os dias os meios de comunicação enfatizam a ocorrência de crimes, onde figuras públicas aproveitam o fato para pregar sobre a necessidade de maior repressão policial.Mas, a história ensina que sistemas repressores produzem mais violência, sendo que a solução está na educação que oportuniza um comportamento adequado ao jovem e garante a necessária qualificação deste para o seu ingresso no mercado de trabalho. A educação é um passo para o emprego,o emprego garante a renda e com dignidade o ser humano não se marginaliza”, afirmou. O projeto que já formou a primeira turma terá uma nova edição segundo o coordenador, mas para tanto precisa passar pelos tramites internos necessários para o seu devido registro e aprovação junto à UFAC.