quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Governadores Tião Viana e Binho Marques preparam equipes que vão formular plano do próximo governo

O governador eleito Tião Viana e o governador atual, Binho Marques, acabam de pôr em marcha o processo de transição entre o Governo que se encerra em 31 de dezembro e o que toma posse em 1 de janeiro de 2011. Os nomes dos futuros secretários e assessores do próximo governo só serão de fato conhecidos no dia 18 de dezembro, um dia após a diplomação pela Justiça Eleitoral dos eleitos em 3 de outubro, anunciou o próprio Tião Viana.


Começa a transição

Tião Maia

O governador eleito Tião Viana e o governador atual, Binho Marques, acabam de pôr em marcha o processo de transição entre o Governo que se encerra em 31 de dezembro e o que toma posse em 1 de janeiro de 2011. Os nomes dos futuros secretários e assessores do próximo governo só serão de fato conhecidos no dia 18 de dezembro, um dia após a diplomação pela Justiça Eleitoral dos eleitos em 3 de outubro, anunciou o próprio Tião Viana. Até aqui, apenas o professor José Fernandes do Rego, ex-vice-governador do Estado (Governo Joaquim Macedo) e um dos técnicos de confiança da Frente Popular do Acre (FPA) foi anunciado pelo governador eleito. Ele será o coordenador da equipe de transição e de formação do plano de Governo a ser executado até 2014.

Numa reunião ocorrida na manhã de ontem, nos altos do Mira Shopping, onde está instalado o escritório de transição do governo eleito, Tião Viana e Binho Marques, ao lado do senador eleito Jorge Viana, do futuro senador Aníbal Diniz e do presidente da Assembléia Legislativa, Edvaldo Magalhães, deram largada ao processo de coleta de informações que vão subsidiar, com dados técnicos, o plano de Governo a ser executado nos próximos quatro anos.

Da reunião participaram técnicos do atual Governo e assessores de Tião Viana, além de dirigentes dos partidos que integram a Frente Popular. Um dia após a eleição de Dilma Rousseff para presidente, na véspera do feriado de Dia de Finados, Tião Viana e o vice-governador reeleito César Messias já haviam reunido os presidentes de partidos que formam a direção executiva da Frente Popular para avaliar o resultado do pleito eleitoral no primeiro e segundo turnos. Mesmo com o resultado adverso em relação à Dilma Rousseff, que perdeu no Acre tanto no primeiro como no segundo turno, a reunião ocorreu em clima de vitória. “Nós todos somos vitoriosos porque a companheira Dilma foi eleita a primeira mulher presidente da República do Brasil e nós fazemos parte deste projeto que vai continuar ajudando o Acre a avançar ainda mais”, disse Aníbal Diniz.

Na mesma reunião, o professor José Fernandes do Rego foi apresentado por Tião Viana como o coordenador da equipe de transição. O professor fez – tanto aos dirigentes partidários como aos técnicos do governo atual – a apresentação da metodologia para a coleta de dados que vão subsidiar o plano de Governo de Tião Viana.
A equipe de transição estará dividida entre aqueles que vão cuidar da passagem de um governo para outro e da equipe responsável pela elaboração final do plano de Tião Viana. “Mas serão equipes que se complementam entre si”, disse José Fernando do Rego.

De acordo com Tião Viana, cada partido que integra a Frente Popular poderá indicar até três nomes para compor tanto a equipe de transição como o plano de Governo. “Esses nomes serão avaliados e podem compor uma ou outra equipe”, disse o governador eleito. “Isso não quer dizer que os partidos não possam ter mais de três nomes nessas equipes”, acrescentou.

“Será uma transição tranqüila em função do trabalho maduro de 12 anos de Frente Popular”, disse Tião Viana. “A gente terá um prazo de dois meses para, de maneira serena, reunir toda a troca de informações e interpretações para levar adiante os grandes desafios que nós temos pela frente”, acrescento. “Aqui, ao lado do Jorge e do Tião Viana, sinto que trabalhar no Governo é uma das coisas mais maravilhosas porque é aí que temos a oportunidade de transformar a vida das pessoas para melhor”, disse o governador Binho Marques. “Na verdade, essa transição é apenas uma passagem para uma nova etapa de Governo. Eu me sinto muito feliz em passar a faixa de governador para o Tião Viana, um homem dedicado e cheio de amor pelo Acre e sua gente”, disse.

Binho destacou também a experiência do quarto mandato consecutivo da Frente Popular no Estado. “Nunca, no Brasil, se viveu uma experiência como tal. Um exemplo é que temos aqui reunidos três governadores de um mesmo projeto, algo bem diferente do que existe em São Paulo, por exemplo. Lá os governadores podem até ser do mesmo partido, mas não tem o mesmo projeto”, disse Binho, referindo-se ao quinto governo consecutivo do PSDB em São Paulo.

Tião Viana destacou ainda que o Binho Marques é o governador pleno até o dia 31 de dezembro e que, até o final de seu mandato, “tem ainda uma quantidade enorme de desafios e de metas a cumprir de seu governo”.

Jorge Viana e Aníbal Diniz disseram que, como senadores, vão se desdobrar para fazer por Tião Viana o que ele, como senador, fez nos três governos anteriores da Frente Popular. “Eu estou voltando para a política, agora de forma institucional, com um mandato de senador, ainda mais determinado a aprofundar a melhoria na qualidade de vida do nosso povo porque nós só vamos descansar um pouco quando soubermos que o nosso povo está vivendo melhor”, disse Jorge Viana

“Temos a obrigação de dar os passos de avanços que a história exige de nós”
Ao abrir a reunião com os técnicos que vão cuidar da transição como da elaboração do plano de governo, Tião Viana fez um pronunciamento do qual os principais pontos são os seguintes:

Equipes

“Aqui estão pessoas que vão se somar a outras e vamos constituir o grupo da transição e o grupo do plano de Governo. Os dois vão trabalhar em conjunto. Os integrantes do plano de Governo vão coletar as informações com a comunidade, numa escuta democrática muito forte, e saber o que a população quer dizer para nós, enquanto a equipe de transição vai levantar tudo o que compreende ser fundamental para fazer e, com isso pronto, nós vamos anunciar a nossa equipe. Isso vai acontecer no dia 18 de dezembro, um dia após a diplomação. Nesse dia nós vamos apresentar à sociedade a nova equipe que vai assumir a partir do dia primeiro de janeiro, tudo feito dentro da maior harmonia. Nessa composição haverá a participação dos partidos que formam a Frente Popular, que já estão dando sua contribuição. Há também uma preocupação grande em relação aos deputados eleitos tanto para a Assembleia Legislativa e como para a Câmara Federal, que vão participar desse momento também da transição.

Aperfeiçoamento

“Essa grande mudança na gestão pública iniciada pelo Jorge Viana e levada adiante pelo Binho Marques, nós temos a obrigação de aperfeiçoar isso e dar os passos que a história exige de nós. Esse é o nosso desafio dentro dessa equipe de transição. Como transformar o valor gerado pela sociedade em resposta efetiva para a melhoria do serviço público. Há um pensador que estuda as estratégias do serviço público que diz: há três tipos de Governos: o da ocasião, em que os problemas procuram o governante; o governo de administração, que pega os programas e serviços e dá continuidade a eles, sem as grandes mudanças, e, por fim, há o governo de transformação, que aproveita tudo o que está dando certo, inova e põe todos os setores em condições de enfrentar uma nova realidade. É o que nós vamos fazer. Nós vamos pensar muito sobre como vamos aproveitar e melhorar o perfil do Governo. Vamos valorizar tudo aquilo que o Jorge inovou, tudo o que o Binho inovou e deram os passos que fizeram com o que Acre passasse a ser mais bem observado no Brasil. Nosso desafio é fazer o dobro do que eles fizeram e que permitiram os atuais resultados dos indicadores sócio-econômicos do Estado.

Compromissos

“Uma coisa é sagrada dentro da Frente Popular e do nosso projeto político: a matriz ética, a responsabilidade sócio-ambiental, o compromisso com a economia verde, com o programa de baixo carbono com alta inclusão social, para a geração do desenvolvimento do Acre, com o compromisso de que, daqui a quatro anos, o Acre possa estar mais preservado e com uma economia melhor. Temos que fazer um trabalho com o valor de cada um para que a gente possa responder aquilo que a sociedade quer de nós, sempre com humildade, responsabilidade e compromisso”.

Dirigentes partidários avaliam o início da transição

Os líderes e dirigentes dos partidos que integram a Frente Popular também avaliaram a primeira reunião da executiva da coligação com o governador eleito. A seguir, alguns dos depoimentos:
“Ficamos muito felizes ao sermos chamados para esta reunião. Estamos sendo considerados como um grande partido quando, na verdade, somos de fato muito pequenos, mas, mesmo assim, estamos ocupamos um lugar onde todos os grandes estão, e, o que é melhor, no momento de transição e de elaboração do plano de governo” -
Francimar Asfuri, dirigente do PTN.

“O governador eleito e nós todos estamos de parabéns porque, no momento em que está sendo montada a equipe de transição, nós estamos sendo chamados. Isso dá a dimensão do que é hoje a FPA. E estamos aqui para darmos a nossa contribuição e fazermos um governo de mais avanços” - Gabriel Maia, dirigente PSB.

“Não foi surpresa para nós este convite do governador. A gente já esperava essa posição do governador porque sabemos de sua posição de dar uma dimensão mais política para o governo. Nós vamos participar da transição para apontar os problemas e solução dos problemas que afligem o nosso povo” - Ediberto Saraiva, dirigente do PDT.


“Isso aqui é um gesto inaugural importante. Estamos vivendo um final de um ciclo e o início de uma nova etapa e precisamos refletir sobre as exigências políticas e programáticas. Isso tem que ser feito a partir do olhar dos partidos e do resultado das eleições. É o que estamos fazendo” - Edvaldo Magalhães, presidente regional do PC do B. ´

“Isso aqui mostra que a Frente Popular de fato cumpre acordos e respeita os aliados. Por isso, eu e o meu partido estaremos contribuindo no que for possível para que Tião Viana e seu Governo tenham sucesso. O sucesso deles será o sucesso do nosso povo” - Iolanda Fleming, presidente regional do PTB.

“Os partidos, nessa composição da Frente Popular, tem uma importância fundamental. Tião Viana mostra aqui como pretende trabalhar. Essa reunião é importante para que a gente possa anunciar as diretrizes principais do Governo. Não temos dúvida de que o futuro governo será exitoso com a participação dos partidos e da sociedade” – Leonardo Brito, presidente regional do PT.

“O governador Tião Viana está de parabéns porque está chamando todos os partidos para fazer o plano de seu futuro governo. Isso não só nos honra como responde à expectativa de ação que nós temos em relação ao nosso povo”. Julinho, dirigente do PRP.

“É muito bom saber que os partidos estão o sendo reconhecidos, não só pelo desempenho eleitoral, mas também pelo forte apoio popular que tivemos. Esse apoio popular, aliás, não veio de graça. A população acreditou no programa a do nosso partido e da FPA e agora temos que ajudar a elaborar um plano de Governo que contemple à expectativa de quem acreditou na gente” – Afonso Fernandes, presidente do PSDC

“Os partidos pequenos costumam passar por verdadeiros sacrifícios. Mas nesse momento da vitória, logo após a eleição, começamos a ser reconhecidos e trabalhar de forma significativa e estamos agradecidos pelo governador ter reconhecido o nosso trabalho” – Gladson Menezes, presidente regional do PTC

“O PRB participa deste processo com imensa satisfação. Vamos apoiar integralmente o governo de Tião Viana porque estamos sendo reconhecidos e reconhecemos que o próximo governo será ainda melhor que o atual. As condições para isso foram criadas pelos governos anteriores e nossa esperança é de muito mais avanços” - Pastor Manuel Marques, dirigente do PRB.

DETRAN E SEE FIRMAM CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

O artigo 140, II, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), determina que os condutores devam "saber ler e escrever". Com base no inciso e no fato e no lato índice de pessoas com baixo grau de instrução foi assinado um convênio entre a Secretaria de Estadual de Educação e Departamento Estadual de Trânsito do Acre.


Dayana Maia

O artigo 140, II, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), determina que os condutores devam "saber ler e escrever". Com base no inciso e no fato e no lato índice de pessoas com baixo grau de instrução foi assinado um convênio entre a Secretaria de Estadual de Educação e Departamento Estadual de Trânsito do Acre. O objetivo do acordo e oferecer o domínio da escrita a condutores que têm dificuldades na escrita durante os procedimentos de expedição de novas licenças para dirigir.
Para o diretor, Reginaldo Pratesé, o convênio é fundamental, porque além cooperar na renovação da CNH contribui ainda para redução do problema social dos cidadãos. "Ao estar matriculado o candidato renovará o documento, ficando condicionado à conclusão do curso para em seguida constar como definitivo no sistema", ressalta Prates.
O DETRAN decidiu promover a iniciativa baseado principalmente na constatação de inúmeros episódios de condutores com dificuldade na leitura e escrita, visto que no passado, a legislação não tinha critérios deliberados a serem regularizados.
A Secretaria de Educação montará uma cooperação técnica e pedagógica para as turmas de alfabetização de jovens e adultos, por meio do Programa Mova/Alfa 100.

O Movimento de Alfabetização do Acre teve início no ano 2000, e, após três anos foi implantado o Programa Alfa 100, que trata-se de um programa em parceria com o MEC, com duração de 8 meses, tendo 2 horas de aula por dia, totalizando 320 horas.