quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Os ônibus adquiridos através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) por meio do Programa Caminho da Escola, acomodam três crianças por assento e dispõem de lugares adaptados para deficientes físicos.
Os ônibus adquiridos através do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) por meio do Programa Caminho da Escola, acomodam três crianças por assento e dispõem de lugares adaptados para deficientes físicos.

Até agora um micro ônibus e três ônibus já foram recebidos pela Secretaria Municipal de Educação de Cruzeiro do Sul. Segundo o secretário, Ivo Galvão, eles já estão sendo utilizados no transporte escolar de alunos da zona urbana, de bairros periféricos e da zona rural que moram distantes da escola. Na Vila Santa Rosa, por exemplo, localizada na rodovia que liga Cruzeiro do Sul a Rodrigues Alves, a chegada de um ônibus já está evitando o sofrimento de dezenas de alunos filhos de agricultores que chegavam a caminhar horas até o colégio.

Um dos ônibus também está sendo utilizado para atender 100 alunos do Programa AABB Comunidade, uma parceria entre a Prefeitura e a Fundação Banco do Brasil. Esses estudantes filhos de pessoas carentes, além da jornada diária de estudo participam de várias atividades complementares como lazer e reforço escolar.

O secretário municipal de Educação, Ivo Galvão, disse ainda que o prefeito Vagner Sales, tem procurado melhorar cada vez mais a estrutura da rede de ensino para que os estudantes tenham um desempenho cada vez melhor dentro da sala de aula. Segundo ele, evitar o esforço físico dos alunos antes da aula tem uma contribuição muito grande para o rendimento escolar.

Ivo Galvão lembra de outros objetivos que já foram alcançados pela gestão do prefeito Vagner Sales, como a construção e reforma de várias escolas, reforço na merenda, fornecimento kits escolares e qualificação de servidores, além da instalação de vários laboratórios de informática. “Tudo isso tem refletido em um acréscimo significativo da demanda de estudantes que estão cada vez mais confiantes no trabalho educacional desenvolvido pelo município”, afirmou.

Assessoria

Escola Madre Adelgundes Becker executa projeto de conscientização sobre a necessidade de preservação

‘Vamos salvar o rio Juruá'. Com esta palavra de ordem os estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Escola Estadual Madre Adelgundes Becker, situada no bairro Miritizal, à margem direita do rio, em Cruzeiro do Sul, passaram duas semanas em atividades de conscientização conversando com ribeirinhos, catraieiros e outros que trabalham ou transitam pela imensa praia que se forma no verão.


Em apenas um dia foram coletados 50 sacos de lixo



‘Vamos salvar o rio Juruá'. Com esta palavra de ordem os estudantes do Ensino Fundamental e Médio da Escola Estadual Madre Adelgundes Becker, situada no bairro Miritizal, à margem direita do rio, em Cruzeiro do Sul, passaram duas semanas em atividades de conscientização conversando com ribeirinhos, catraieiros e outros que trabalham ou transitam pela imensa praia que se forma no verão. Outra ação foi a distribuição de adesivos com a frase: ‘Seja consciente não jogue lixo no rio'.

E não apenas a conscientização; os alunos se dispuseram a recolher o lixo acumulado na praia e se espantaram com a quantidade recolhida. Somente em um dia foram recolhidos mais de 50 sacos de lixo com diversos itens como pedaços de isopor, vários tipos de metais, pedaços de madeira, sacos plásticos, etc.

Conta o professor Evanilson Almeida, um dos coordenadores, que a ação é parte da execução de um projeto idealizado pela professora Fernanda Márcia Almeida, que, por ser aluna do urso de Biologia da UFAC-Campus Floresta, buscou a parceria da universidade, especialmente do curso de Biologia. O projeto encerrou neste fim de semana, ocasião em que a professora Valquíria Garrote, do curso de Biologia, proferiu uma palestra.

O professor explica que a Escola decidiu realizar o projeto devido à carência que as pessoas da região têm com relação à coleta de lixo e escolheu para realizar na beira do rio porque o rio Juruá tem sofrido grandes danos em suas margens e no seu leito. "É surpreendente os danos que o rio vem sofrendo por conta da ação humana", constata.
Em depoimento, alunos destacam a importância da preservação

É muito importante este projeto. Estamos retirando o lixo da margem do Juruá; é bom para o rio, para nós do Miritizal e para o pessoal da cidade também. Já recolhemos muito lixo, mas no ano passado tinha mais quando fizemos a mesma atividade.
Geovani Silva de Souza, 2º ano, EM

Já juntamos 50 sacos na semana passada e hoje mais de 50. Já foi um adianto. Acho que está faltando um pouco de consciência nas pessoas. Se o rio começar a secar e o povo jogar lixo nele, como será?
Anabele Souza dos Santos, 2º ano, EM

Moro no Miritizal desde que nasci. Este projeto é importante não só para nossa comunidade, mas para toda a cidade. É muito legal limpar o nosso rio e preservar o meio ambiente. Temos que preservar o meio ambiente para o futuro, para nossos filhos, para as pessoas que virão.
Karine Lima Silva - 1º ano

Moro no Miritizal desde criança e vejo que o lixo vem aumentando ao longo dos anos. As pessoas mesmo sabendo, ainda assim jogam lixo no rio e nas margens. A gente quer que as pessoas se conscientizem para que não façam mais isso.
Maria da Glória 2º ano, EM

Fotos Onofre Brito SECOM
A partir do resultado do REFERENDO em que a população acreana definiu-se pela volta ao horário antigo, as Consultorias jurídicas da Câmara, do Senado e do TSE estão debruçadas sobre os encaminhamentos a serem dados no sentido de fazer valer a vontade dos acreanos.
A partir do resultado do REFERENDO em que a população acreana definiu-se pela volta ao horário antigo, as Consultorias jurídicas da Câmara, do Senado e do TSE estão debruçadas sobre os encaminhamentos a serem dados no sentido de fazer valer a vontade dos acreanos.

Mais uma vez o Acre inova na política brasileira e é o primeiro a valer-se do dispositivo previsto na constituição que prevê a participação popular, para resolver uma questão do seu dia a dia.

O ineditismo deste REFERENDO servirá de exemplo para todo o resto da população brasileira. O Deputado Flaviano Melo, autor do Projeto, que se encontra em Brasília acompanha de perto a questão.

Da Assessoria do Deputado Flaviano Melo

ALTO PREÇO DA CARNE BOVINA TRAZ INSATISFAÇÃO A POPULAÇÃO CRUZEIRENSE.

Há cerca de duas semanas, o consumidor cruzeirense percebeu no bolso o aumento da carne bovina. Nos açougues os consumidores se assustam com os preços cobrados. Os preços variam de R$ 12 reais a R$ 17 reais.

Dayana Maia

Há cerca de duas semanas, o consumidor cruzeirense percebeu no bolso o aumento da carne bovina. Nos açougues os consumidores se assustam com os preços cobrados. Os preços variam de R$ 12 reais a R$ 17 reais.

Os preços cobrados ficam quase inacessíveis para as pessoas de baixa renda. O jovem Nélio Oliveira mora em um bairro periférico da cidade. Segundo ele o preço cobrado já começa a ficar difícil para se alimentar. “Está muito alto o preço, o quilo de carne custa R$ 12, até 14 reais é demais” afirma o jovem trabalhador.

O açougueiro Edilberto Ferreira, que trabalha a seis anos no ramo, depois que passaram a comprar carne somente do frigorífico, o valor do kg aumentou consideravelmente. “A gente comprava do fazendeiro, aí a gente tinha um lucro melhor. E agora a gente comprando do frigorífico o custo ficou muito caro, pois eles monopolizaram tudo, restando a nós aumentarmos preço”, explicou o açougueiro.

O proprietário e um dos pioneiros no serviço de frigorífico, Adalberto Batista, explicou que o preço elevou-se devido às dificuldades em manter o gado com produtos de qualidade e com isso eleva o preço para os revendedores. Além disso, ele enfatizou que nesse período do ano, é muito difícil comparar e fazer o transporte dos bovinos (vindos do Tarauacá e Feijó) até Cruzeiro do sul.
Com justificativas dos açougueiros e proprietários dos frigoríficos, quem paga o maior preço são consumidores que precisam diariamente colocar a carne à mesa, e que acabam tornam-se vitimas do próprio bolso mediante os abusivos preços estabelecimentos no comércio.

Rodrigues Alves se previne contra praga do mandarová

O prefeito de Rodrigues Alves, Francisco Ernilson de Freitas, preocupado com a ameaça da praga do mandarová nas lavouras de mandioca no município, firmou parceria com o IDAF (Institudo de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre) para socorrer os produtores rurais. O instituto entrará com recursos para diminuir os custos desses agricultores.
O prefeito de Rodrigues Alves, Francisco Ernilson de Freitas, preocupado com a ameaça da praga do mandarová nas lavouras de mandioca no município, firmou parceria com o IDAF (Institudo de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre) para socorrer os produtores rurais. O instituto entrará com recursos para diminuir os custos desses agricultores.

O gerente do IDAF no Vale do Juruá, Marcos Pereira, afirma que pelas previsões de especialistas do instituto e da Universidade Federal do Acre (Campus Floresta), a previsão é que este ano o ataque da praga seja em maior proporção que em anos anteriores.

"O prefeito Burica e sua equipe técnica foram sensíveis ao apelo do IDAF e da Ufac, e vai nos ajudar com a distribuição de kits para os produtores da região", afirma Pereira, que lembrou ainda que o instituto distribui vacinas contra a febre aftosa aos pequenos criadores de gado bovino no Vale do Juruá.

ARMADILHA

O primeiro monitoramento de prevenção está sendo feito na Comunidade São Jerônimo, segundo informou Anizio, secretário de Agricultura de Rodrigues Alves. No local estão sendo instaladas armadilhas para as mariposas, e a partir daí medir a intensidade do ataque. "Elas são colocadas à noite, e durante o dia o produtor conta o numero de mariposas capturadas. Se as armadilhas contiverem mais de quarenta mariposas, precisaremos nos preparar, porque nesse caso o ataque do mandarová será gravíssimo", revelou o secretário.

A PRAGA

Mandoravá é como se chama a lagarta da mariposa que sobrevoa as plantações de mandioca nessa época do ano, e causa enormes prejuízos aos agricultores, que tem na farinha de mandioca a única opção de renda para o sustento de suas famílias.

Prefeito Burica implanta coordenação da Mulher

A implantação da Coordenação da Mulher, que terá status de secretaria municipal, foi realizada pelo prefeito de Rodrigues Alves, Francisco Ernilson de Freitas, Burica, numa solenidade bastante prestigiada e inovadora no Vale do Juruá.

Maria Ivanete, será a coordenadora e terá a missão de incentivar a criação de núcleos da mulher em todo município, incluindo a área rural.
O prefeito declarou que a criação da Coordenação da Mulher se torna possível graças à parceria do município com o governo estadual.“ Nossa intenção é trabalhar com todos os setores da na sociedade, para cuidar dos idosos, das crianças, e de todo mundo”, disse o prefeito.Burica disse que a Coordenação vai estimular a criação de associações de mulheres também entre as trabalhadoras agrícolas, na zona rural, a exemplo do que já ocorreu na Comunidade Nova Cintra.

MERCADO DE TRABALHO

"Há dez anos a gente vem fazendo esse trabalho de valorização da mulher, mas de forma muito precária. Agora, temos como principal objetivo preparar a mulher, para sua inserção no mercado de trabalho”, afirmou a coordenadora.